Cidade da Caála poderá ter um novo cemitério

  • Vista parcial da Cidade da Caála
Caála - A cidade da Caála (Huambo) poderá contar, a curto prazo, com um novo cemitério municipal, informou hoje, quinta-feira, à Angop, o administrador local adjunto para o sector Técnico, Infra-estruturas e Serviços Comunitários, Tomás de Jesus.

Conforme o responsável, a construção do novo cemitério municipal da Caála, com uma área reservada acima de oito hectares, deve-se ao facto de o actual, localizado no bairro Cemitério, arredores da urbe, estar superlotado.

Sem avançar o custo do projecto, Tomás de Jesus informou que, enquanto se aguarda pela aprovação do espaço identificado, as autoridades do município da Caála pretendem, embora esteja superlotado, melhorar a estrutura funerária do actual cemitério da municipalidade.

Acrescentou que tão logo seja construído o novo “campo santo”, o actual deverá ser encerrado e transformado em monumento, numa altura em que cresce a onda de vandalização do mesmo, com a destruição de campas e roubos de acessórios de urnas.

Referiu que o município da Caála tem perto de 40 cemitérios informais que se encontram em avançado estado de degradação, depois da invasão da população, havendo, deste modo, a necessidade de serem encerrados com urgência, para evitar a proliferação de doenças.

“A vandalização do património público se estende também aos jardins, sistemas de iluminação, retirada de cabos eléctricos, manivelas e instituições escolares”, disse o responsável, salientando que a Administração da Caála está a trabalhar com os órgãos de segurança para a identificação dos autores desses actos.

Disse estarem ainda a contar com a parceria das autoridades tradicionais, religiosas e as instituições escolares, para a difusão rápida das campanhas de sensibilização sobre a importância da conservação do património público.

O município da Caála, cuja sede está a localizada a 23 quilómetros a Oeste da cidade do Huambo, possui uma população estimada em 342 mil e 463 habitantes, distribuídos em quadro comunas (Calenga, Catata, Cuima e Sede).

Conforme o responsável, a construção do novo cemitério municipal da Caála, com uma área reservada acima de oito hectares, deve-se ao facto de o actual, localizado no bairro Cemitério, arredores da urbe, estar superlotado.

Sem avançar o custo do projecto, Tomás de Jesus informou que, enquanto se aguarda pela aprovação do espaço identificado, as autoridades do município da Caála pretendem, embora esteja superlotado, melhorar a estrutura funerária do actual cemitério da municipalidade.

Acrescentou que tão logo seja construído o novo “campo santo”, o actual deverá ser encerrado e transformado em monumento, numa altura em que cresce a onda de vandalização do mesmo, com a destruição de campas e roubos de acessórios de urnas.

Referiu que o município da Caála tem perto de 40 cemitérios informais que se encontram em avançado estado de degradação, depois da invasão da população, havendo, deste modo, a necessidade de serem encerrados com urgência, para evitar a proliferação de doenças.

“A vandalização do património público se estende também aos jardins, sistemas de iluminação, retirada de cabos eléctricos, manivelas e instituições escolares”, disse o responsável, salientando que a Administração da Caála está a trabalhar com os órgãos de segurança para a identificação dos autores desses actos.

Disse estarem ainda a contar com a parceria das autoridades tradicionais, religiosas e as instituições escolares, para a difusão rápida das campanhas de sensibilização sobre a importância da conservação do património público.

O município da Caála, cuja sede está a localizada a 23 quilómetros a Oeste da cidade do Huambo, possui uma população estimada em 342 mil e 463 habitantes, distribuídos em quadro comunas (Calenga, Catata, Cuima e Sede).