Governo investe no combate à malária

  • Secretário de Estado para a Saúde Pública,  Franco Mufinda
Luanda – O governo angolano adquiriu 21 mil litros de biolarvicidas (griselev e bactivec), destinados a tratar larvas de mosquitos, dengue, chicungunha, febre-amarela e elefantíase.

Segundo o secretário de Estado para a Saúde Pública, Franco Mufinda, que falava à imprensa à margem da cerimónia de recepção do medicamento, este domingo, o produto destina-se às províncias e pontos mais críticos do país, numa superfície equivalente a 21 mil hectares.  

Garantiu que o líquido será distribuído a todas as províncias do país, para, com as brigadas formadas, começar a ser aplicado imediatamente, uma vez já estarem criadas todas as condições para o efeito.

Ressaltou que as brigadas são constituídas por oito elementos e cada município tem no mínimo uma.

Franco Mufinda apelou ao engajamento das administrações municipais no estímulo dos participantes, bem como as famílias a ajudarem na educação ambiental dos filhos, tratamento de tanques de água, jardins, entre outros espaços acumuladores de águas paradas.

Deu a conhecer que o país registou seis milhões de casos e cerca de nove mil óbitos por malária, no período de Janeiro a Agosto, do ano em curso.

Comparado a igual período do ano passado, representa um aumento de um milhão de casos registados e mais cerca de 900 óbitos, devido também ao surto que se deu nas províncias de Benguela, Huambo, Malanje e Cuanza Sul.

Segundo o secretário de Estado para a Saúde Pública, Franco Mufinda, que falava à imprensa à margem da cerimónia de recepção do medicamento, este domingo, o produto destina-se às províncias e pontos mais críticos do país, numa superfície equivalente a 21 mil hectares.  

Garantiu que o líquido será distribuído a todas as províncias do país, para, com as brigadas formadas, começar a ser aplicado imediatamente, uma vez já estarem criadas todas as condições para o efeito.

Ressaltou que as brigadas são constituídas por oito elementos e cada município tem no mínimo uma.

Franco Mufinda apelou ao engajamento das administrações municipais no estímulo dos participantes, bem como as famílias a ajudarem na educação ambiental dos filhos, tratamento de tanques de água, jardins, entre outros espaços acumuladores de águas paradas.

Deu a conhecer que o país registou seis milhões de casos e cerca de nove mil óbitos por malária, no período de Janeiro a Agosto, do ano em curso.

Comparado a igual período do ano passado, representa um aumento de um milhão de casos registados e mais cerca de 900 óbitos, devido também ao surto que se deu nas províncias de Benguela, Huambo, Malanje e Cuanza Sul.