Covid-19: Administrador preocupado com a ignorância das medidas de prevenção

  • Centro de Testagem para Covid-19
Ondjiva – O administrador municipal do Cuanhama, província do Cunene, José Felisberto Kalomo, manifestou-se, esta quarta-feira, preocupado com o aumento dos casos da Covid-19, motivados pelo incumprimento das medidas de biossegurança.

Entre os seis municípios da província do Cunene, o Cuanhama lidera o gráfico com 739 casos confirmados, 318 recuperados e 19 óbitos, Namacunde 87 casos e cinco óbitos, Ombadja 71 casos e uma morte, Curoca e Cuvelai com quatro casos e último  a  Cahama com um caso.

Actualmente, a província do Cunene conta com um acumulado de 908 casos confirmados desde o início da pandemia, dos quais 468 recuperados, 415 activos e 25 óbitos.

Em declarações à Angop, José Felisberto Kalomo disse que os munícipes, mesmo com as acções preventivas, ignoram as medidas de biossegurança de combate à Covid-19, situação que tem contribuído para a propagação do vírus nas últimas semanas.

Fez saber que até Junho, os casos no município circulavam apenas nos bairros de Ondjiva, mas propagou-se às localidades de Evale, Môngua, Helala, Khushe.

 “Temos que  ser rigorosos no uso de máscaras, distanciamento físico e reforçarmos as medidas de prevenção em todos os locais, sobretudo, nas vias públicas, mercados informais, nas grandes e pequenas superfícies comerciais, bares e restaurantes, para impedir o contágio do vírus”, alertou.

José Felisberto Kalomo sublinhou que as organizações juvenis, igrejas e outros parceiros do governo devem continuar a despertar a consciência dos cidadãos para evitar aglomerações nos mercados informais, paragens de táxis e lugares públicos.

O Cuanhama,  município sede da província do Cunene, é mais populoso,  com 360 mil e 491 habitantes, divididos pelas  comunas de Ondjiva, Nehone, Mongua, Evale e Oshimolo.

Entre os seis municípios da província do Cunene, o Cuanhama lidera o gráfico com 739 casos confirmados, 318 recuperados e 19 óbitos, Namacunde 87 casos e cinco óbitos, Ombadja 71 casos e uma morte, Curoca e Cuvelai com quatro casos e último  a  Cahama com um caso.

Actualmente, a província do Cunene conta com um acumulado de 908 casos confirmados desde o início da pandemia, dos quais 468 recuperados, 415 activos e 25 óbitos.

Em declarações à Angop, José Felisberto Kalomo disse que os munícipes, mesmo com as acções preventivas, ignoram as medidas de biossegurança de combate à Covid-19, situação que tem contribuído para a propagação do vírus nas últimas semanas.

Fez saber que até Junho, os casos no município circulavam apenas nos bairros de Ondjiva, mas propagou-se às localidades de Evale, Môngua, Helala, Khushe.

 “Temos que  ser rigorosos no uso de máscaras, distanciamento físico e reforçarmos as medidas de prevenção em todos os locais, sobretudo, nas vias públicas, mercados informais, nas grandes e pequenas superfícies comerciais, bares e restaurantes, para impedir o contágio do vírus”, alertou.

José Felisberto Kalomo sublinhou que as organizações juvenis, igrejas e outros parceiros do governo devem continuar a despertar a consciência dos cidadãos para evitar aglomerações nos mercados informais, paragens de táxis e lugares públicos.

O Cuanhama,  município sede da província do Cunene, é mais populoso,  com 360 mil e 491 habitantes, divididos pelas  comunas de Ondjiva, Nehone, Mongua, Evale e Oshimolo.