Ministro Téte António orienta reunião do Comité de Embaixadores da OEACP

  • Téte António, ministro das Relações Exteriores (Arquivo)
Luanda - O ministro das Relações Exteriores, Téte António, preside, esta quinta-feira, em Bruxelas, Reino da Bélgica, os trabalhos da reunião do Comité de Embaixadores da Organização dos Estados de África, Caraíbas e Pacífico (OEACP).

Segundo uma nota chegada à ANGOP, o chefe da diplomacia angolana vai orientar a reunião na qualidade de presidente do Conselho de Ministros da organização.

A OEACP é uma associação de 79 países da África, Caraíbas e Pacífico formada para coordenar a actividades no quadro da convenção de Lomé, de 1975, rubricado com a União Europeia, que visava assegurar a coordenação comercial, garantido a liberdade de acesso ao mercado comunitário de quase todos os produtos dos países em desenvolvimento.

Tem ainda como objectivo assegurar a estabilidade das receitas de exportação para 36 produtos-base, protegendo-as contra as flutuações de preços do mercado mundial (Stabex), cooperação industrial e financeira e criação de instituições destinadas à gestão em comum do conjunto de acordos.

Estabelecia também a cooperação no domínio das pescas, medidas a favor da mão-de-obra e definição de dispositivos de promoção comercial e apoio às políticas sectoriais.

Segundo uma nota chegada à ANGOP, o chefe da diplomacia angolana vai orientar a reunião na qualidade de presidente do Conselho de Ministros da organização.

A OEACP é uma associação de 79 países da África, Caraíbas e Pacífico formada para coordenar a actividades no quadro da convenção de Lomé, de 1975, rubricado com a União Europeia, que visava assegurar a coordenação comercial, garantido a liberdade de acesso ao mercado comunitário de quase todos os produtos dos países em desenvolvimento.

Tem ainda como objectivo assegurar a estabilidade das receitas de exportação para 36 produtos-base, protegendo-as contra as flutuações de preços do mercado mundial (Stabex), cooperação industrial e financeira e criação de instituições destinadas à gestão em comum do conjunto de acordos.

Estabelecia também a cooperação no domínio das pescas, medidas a favor da mão-de-obra e definição de dispositivos de promoção comercial e apoio às políticas sectoriais.