Angola e Cabo Verde reafirmam cooperação intra CPLP

  • Bandeiras dos países da CPLP
Luanda - Angola e Cabo Verde reafirmaram, em Havana (Cuba), a necessidade do reforço da solidariedade e cooperação entre os Estados da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP), refere em nota a Embaixada de Angola naquele país do Caribe.

O documento, a que a ANGOP teve acesso hoje, adianta que a abordagem teve lugar durante um encontro entre a embaixadora de Angola em Cuba, Maria Cândida Pereira Teixeira, e a homóloga de Cabo Verde, Edna Filomena Alves Barreto.

Na ocasião, a embaixadora Maria Cândida Pereira Teixeira enalteceu o contributo que Cabo Verde tem prestado à CPLP e sublinhou o compromisso de Angola em prol do desenvolvimento económico e social dos países membros da organização.

Angola assume, para os próximos dois anos (2021- 2023), a presidência rotativa da CPLP, organização fundada em 17 de Julho de 1996, em Lisboa (Portugal).

A par de Angola e de Cabo Verde, integram a CPLP Brasil, Moçambique, São Tomé e Príncipe, Guiné Equatorial, Timor Leste, Guiné Bissau e Portugal, país que acolhe a sede da organização.

No quadro do encontro de trabalho realizado na Embaixada de Angola, as diplomatas defenderam a urgência de todos os países terem acesso de forma equitativa às vacinas contra a Covid-19, pandemia que assola o mundo desde 2019.

No mesmo domínio, as duas entidades abordaram a situação epidemiológica existente em Cuba, que enfrenta um bloqueio económico, e ressaltaram o facto do país ter sido o primeiro no mundo a realizar uma campanha de vacinação para proteger crianças dos dois aos 11 anos, contra a Covid-19.

Por sua vez, a embaixadora Edna Barreto convidou a diplomata angolana a trabalhar em conjunto, tendo em vista o reforço das relações de amizade entre os povos e países da comunidade.

O encontro serviu, igualmente, para analisar questões de interesse comum, tendo as diplomatas concordado em realizar encontros semelhantes regularmente.

Angola e Cabo Verde possuem fortes laços de cooperação. Entre vários protocolos assinados pelos dois Estados, destacam-se os acordos de isenção de vistos, de cooperação técnica em distintos domínios, como os da educação, defesa, petróleo, diplomacia, agricultura, transportes, finanças e administração, entre outros que animam as relações bilaterais.

O documento, a que a ANGOP teve acesso hoje, adianta que a abordagem teve lugar durante um encontro entre a embaixadora de Angola em Cuba, Maria Cândida Pereira Teixeira, e a homóloga de Cabo Verde, Edna Filomena Alves Barreto.

Na ocasião, a embaixadora Maria Cândida Pereira Teixeira enalteceu o contributo que Cabo Verde tem prestado à CPLP e sublinhou o compromisso de Angola em prol do desenvolvimento económico e social dos países membros da organização.

Angola assume, para os próximos dois anos (2021- 2023), a presidência rotativa da CPLP, organização fundada em 17 de Julho de 1996, em Lisboa (Portugal).

A par de Angola e de Cabo Verde, integram a CPLP Brasil, Moçambique, São Tomé e Príncipe, Guiné Equatorial, Timor Leste, Guiné Bissau e Portugal, país que acolhe a sede da organização.

No quadro do encontro de trabalho realizado na Embaixada de Angola, as diplomatas defenderam a urgência de todos os países terem acesso de forma equitativa às vacinas contra a Covid-19, pandemia que assola o mundo desde 2019.

No mesmo domínio, as duas entidades abordaram a situação epidemiológica existente em Cuba, que enfrenta um bloqueio económico, e ressaltaram o facto do país ter sido o primeiro no mundo a realizar uma campanha de vacinação para proteger crianças dos dois aos 11 anos, contra a Covid-19.

Por sua vez, a embaixadora Edna Barreto convidou a diplomata angolana a trabalhar em conjunto, tendo em vista o reforço das relações de amizade entre os povos e países da comunidade.

O encontro serviu, igualmente, para analisar questões de interesse comum, tendo as diplomatas concordado em realizar encontros semelhantes regularmente.

Angola e Cabo Verde possuem fortes laços de cooperação. Entre vários protocolos assinados pelos dois Estados, destacam-se os acordos de isenção de vistos, de cooperação técnica em distintos domínios, como os da educação, defesa, petróleo, diplomacia, agricultura, transportes, finanças e administração, entre outros que animam as relações bilaterais.