Japão diz que mísseis da Coreia do Norte teriam caído na sua Zona Económica Exclusiva

  • Mapa do Japão
Tóquio - Dois mísseis balísticos lançados pela Coreia do Norte caíram na Zona Económica Exclusiva do Japão, segundo o Ministério da Defesa japonês, o que contradiz os comentários anteriores do governo que os projécteis caíram nas águas fora da zona, conforme o canal NHK.

Nesta quarta-feira, uma mídia informou que o Ministério da Defesa do Japão acredita que os mísseis norte-coreanos caíram na Zona Económica Exclusiva japonesa mais cedo no mesmo dia.

"Os mísseis norte-coreanos atingiram a Zona Económica Exclusiva do Japão pela primeira vez desde Outubro de 2019", revelou a mídia.

Por sua vez, a Coreia do Norte chamou a reacção do presidente sul-coreano ao lançamento de mísseis de imprópria e imatura, segundo a Agência Central de Notícias da Coreia (KCNA, na sigla em inglês).

A irmã do líder norte-coreano, Kim Yo-jong, disse que os lançamentos de projécteis são uma actividade "normal e defensiva".

"Segundo os relatos, o presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, que observava os testes do míssil, no discurso fez um comentário inapropriado que seu 'potencial de mísseis é suficiente para conter "as provocações" da RPDC'. Se este comentário é verdadeiro, então para 'presidente' de um chamado 'Estado' ele é muito estúpido", declarou Kim Yo-jong.

A irmã do líder norte-coreano adicionou que a Coreia do Norte "lamenta muito" que "o presidente" use tais expressões "sem pensar", tal como "certos jornalistas".

Na manhã desta quarta-feira, a Guarda Costeira japonesa afirmou ter registado o lançamento de dois mísseis balísticos norte-coreanos. As autoridades do Japão, citadas pela agência de notícias Kyodo, asseguraram que os projécteis caíram fora da Zona Económica Exclusiva do país.

No mesmo dia, a Coreia do Sul testou com sucesso um míssil balístico lançado de submarino (SLBM, na sigla em inglês) de fabrico nacional. O SLBM foi lançado do submarino Dosan Ahn Changho e atingiu "com precisão" os alvos pretendidos a curto alcance.

Nesta quarta-feira, uma mídia informou que o Ministério da Defesa do Japão acredita que os mísseis norte-coreanos caíram na Zona Económica Exclusiva japonesa mais cedo no mesmo dia.

"Os mísseis norte-coreanos atingiram a Zona Económica Exclusiva do Japão pela primeira vez desde Outubro de 2019", revelou a mídia.

Por sua vez, a Coreia do Norte chamou a reacção do presidente sul-coreano ao lançamento de mísseis de imprópria e imatura, segundo a Agência Central de Notícias da Coreia (KCNA, na sigla em inglês).

A irmã do líder norte-coreano, Kim Yo-jong, disse que os lançamentos de projécteis são uma actividade "normal e defensiva".

"Segundo os relatos, o presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, que observava os testes do míssil, no discurso fez um comentário inapropriado que seu 'potencial de mísseis é suficiente para conter "as provocações" da RPDC'. Se este comentário é verdadeiro, então para 'presidente' de um chamado 'Estado' ele é muito estúpido", declarou Kim Yo-jong.

A irmã do líder norte-coreano adicionou que a Coreia do Norte "lamenta muito" que "o presidente" use tais expressões "sem pensar", tal como "certos jornalistas".

Na manhã desta quarta-feira, a Guarda Costeira japonesa afirmou ter registado o lançamento de dois mísseis balísticos norte-coreanos. As autoridades do Japão, citadas pela agência de notícias Kyodo, asseguraram que os projécteis caíram fora da Zona Económica Exclusiva do país.

No mesmo dia, a Coreia do Sul testou com sucesso um míssil balístico lançado de submarino (SLBM, na sigla em inglês) de fabrico nacional. O SLBM foi lançado do submarino Dosan Ahn Changho e atingiu "com precisão" os alvos pretendidos a curto alcance.