Artista expõe cultura angolana em Portugal

Lisboa (Da correspondente) - Uma exposição denominada "Essências", da artista plástica angolana Paula Berteotti, está patente na cidade de Viana do Castelo, em Portugal.

A amostra, aberta ao público até 30 de Setembro, conta com 14 telas e cinco esculturas. 

Segundo a autora, que falava à ANGOP, propôs-se o desafio de mostrar algo que a identificasse, tendo decidido retratar rostos africanos e seus olhares, numa técnica mista diversificada, com a utilização de vários materiais, conjugada com uma paleta cromática rica de cores quentes.

Os quadros da artista espelham assim as cores fortes da cultura angolana.

Paula Berteotti nasceu no Moxico, a 13 de Fevereiro de 1963. O gosto pelas artes levou-a a frequentar cursos de artes decorativas, ateliers de pintura e de escultura, onde desenvolveu a capacidade de transpor para a tela a luz, a cor e a intensidade de toda uma vivência Africana.

Adquiriu, igualmente, conhecimentos na utilização das mais variadas técnicas e uso de vários materiais, criando, com certa contemporaneidade, máscaras africanas, que identificam a essência mística da cultura angolana, mantendo como vertente principal, na sua intervenção estética e artística, o culto pelos valores da sua terra natal.

Ao longo da sua carreira, a artista participou em varias exposições individuais e colectivas.

A amostra, aberta ao público até 30 de Setembro, conta com 14 telas e cinco esculturas. 

Segundo a autora, que falava à ANGOP, propôs-se o desafio de mostrar algo que a identificasse, tendo decidido retratar rostos africanos e seus olhares, numa técnica mista diversificada, com a utilização de vários materiais, conjugada com uma paleta cromática rica de cores quentes.

Os quadros da artista espelham assim as cores fortes da cultura angolana.

Paula Berteotti nasceu no Moxico, a 13 de Fevereiro de 1963. O gosto pelas artes levou-a a frequentar cursos de artes decorativas, ateliers de pintura e de escultura, onde desenvolveu a capacidade de transpor para a tela a luz, a cor e a intensidade de toda uma vivência Africana.

Adquiriu, igualmente, conhecimentos na utilização das mais variadas técnicas e uso de vários materiais, criando, com certa contemporaneidade, máscaras africanas, que identificam a essência mística da cultura angolana, mantendo como vertente principal, na sua intervenção estética e artística, o culto pelos valores da sua terra natal.

Ao longo da sua carreira, a artista participou em varias exposições individuais e colectivas.