Rota Istambul-Luanda abre em Outubro

  • Presidente da República, João Lourenço, empossa nova Juíza Conselheira Presidente do Tribunal Constitucional
Ankara (dos enviados especiais) - As operações da companhia aérea da Turquia, Turkish Airlines, na rota Istambul-Luanda, abrem oficialmente em Outubro deste ano, anunciou,   esta quarta-feira, em Ankara, o ministro dos Transportes, Ricardo de Abreu.

A operadora pretende, inicialmente, realizar voos semanais na rota Istambul-Luanda, tendo em vista a dinamização da cooperação entre os dois Estados e povos.

De acordo com o governante, que falava à imprensa à margem do Fórum de Negócios Angola/Turquia, a iniciativa enquadra-se num memorando a ser assinado entre a Turkish Airlines e a Companhia Aérea Angolana (TAAG), em regime de partilha de códigos.

Segundo o ministro, esta partilha vai permitir que os passageiros, a partir de Luanda, possam de modo único ou bilhete único ter acesso à ligação para Istambul ou à rede de rotas da Turkish Arlines e vice-versa, beneficiando de ligação para a capital angolana.

“Pensamos que é um acordo muito positivo para os dois países e para as duas companhias aéreas, mas, acima de tudo, por ser o primeiro passo para abrirmos os caminhos dessa cooperação estratégica aqui anunciada pelos dois Presidentes", expressou.

Em relação aos custos dos bilhetes, o ministro disse que cabe ao seu pelouro apenas assegurar a existência de um alto nível de competitividade para o país.

“Não é a primeira companhia, nem é a primeira companhia com a qual estamos a abrir as portas do nosso país, e isso permite haver várias opções para os nossos passageiros e cidadãos”, afirmou.

Ricardo de Abreu disse que, depois da entrada em funções desta nova rota, ficará resolvida a questão dos custos de ligação até a Turquia, por parte dos cidadãos.

Saudou a abertura competitiva do mercado, afirmando que se pretende assegurar mais ligações e oportunidades, com base num tarifário ajustado à realidade do país.

"Hoje, o curso de ligação até à Turquia, por parte dos cidadãos, é muito grande. A ligação directa encurta não só o tempo, como também o preço dessa mesma ligação", reforçou.

Conforme o ministro, o voo directo será muito importante para os empresários e turistas, além de potenciar os negócios referenciados em Ankara, sendo que se pretende estender a parceria para outras áreas.

Estão entre essas áreas a construção de infra-estruturas, particularmente na área ferroviária, considerada crítica, afirmando haver sinais de algumas empresas fortes no domínio da gestão portuária, nas concessões em curso no mercado angolano.

Citou ainda o projecto de desenvolvimento da Barra do Dande Zona Franca, e o metro de superfície, cujo concurso será lançado em breve, para parceria pública privada.

"Eventualmente, vamos assinar nesta altura um acordo marítimo, uma vez que a Turquia tem um papel importante nas Europa e muitas capacidades marítimo e portuário", disse.

A operadora pretende, inicialmente, realizar voos semanais na rota Istambul-Luanda, tendo em vista a dinamização da cooperação entre os dois Estados e povos.

De acordo com o governante, que falava à imprensa à margem do Fórum de Negócios Angola/Turquia, a iniciativa enquadra-se num memorando a ser assinado entre a Turkish Airlines e a Companhia Aérea Angolana (TAAG), em regime de partilha de códigos.

Segundo o ministro, esta partilha vai permitir que os passageiros, a partir de Luanda, possam de modo único ou bilhete único ter acesso à ligação para Istambul ou à rede de rotas da Turkish Arlines e vice-versa, beneficiando de ligação para a capital angolana.

“Pensamos que é um acordo muito positivo para os dois países e para as duas companhias aéreas, mas, acima de tudo, por ser o primeiro passo para abrirmos os caminhos dessa cooperação estratégica aqui anunciada pelos dois Presidentes", expressou.

Em relação aos custos dos bilhetes, o ministro disse que cabe ao seu pelouro apenas assegurar a existência de um alto nível de competitividade para o país.

“Não é a primeira companhia, nem é a primeira companhia com a qual estamos a abrir as portas do nosso país, e isso permite haver várias opções para os nossos passageiros e cidadãos”, afirmou.

Ricardo de Abreu disse que, depois da entrada em funções desta nova rota, ficará resolvida a questão dos custos de ligação até a Turquia, por parte dos cidadãos.

Saudou a abertura competitiva do mercado, afirmando que se pretende assegurar mais ligações e oportunidades, com base num tarifário ajustado à realidade do país.

"Hoje, o curso de ligação até à Turquia, por parte dos cidadãos, é muito grande. A ligação directa encurta não só o tempo, como também o preço dessa mesma ligação", reforçou.

Conforme o ministro, o voo directo será muito importante para os empresários e turistas, além de potenciar os negócios referenciados em Ankara, sendo que se pretende estender a parceria para outras áreas.

Estão entre essas áreas a construção de infra-estruturas, particularmente na área ferroviária, considerada crítica, afirmando haver sinais de algumas empresas fortes no domínio da gestão portuária, nas concessões em curso no mercado angolano.

Citou ainda o projecto de desenvolvimento da Barra do Dande Zona Franca, e o metro de superfície, cujo concurso será lançado em breve, para parceria pública privada.

"Eventualmente, vamos assinar nesta altura um acordo marítimo, uma vez que a Turquia tem um papel importante nas Europa e muitas capacidades marítimo e portuário", disse.