Ministério da Indústria formaliza 100 cooperativas no Huambo

  • Citrinos entre as frutas mais produzidas no Huambo
Huambo – O Ministério da Indústria e Comércio iniciou, sexta-feira, no Huambo, o processo de formação e formalização de 100 cooperativas e associações agrícolas, no âmbito do Programa Integrado de Desenvolvimento do Comércio Rural (PIDCR).

Com término previsto para segunda-feira, o evento junta 200 produtores filiados em cooperativas e associações, com vista à promoção local do associativismo de produção e comercialização.

Constam dos temas em debates, as novas práticas agrícolas, a transformação dos produtos agro-pecuários e matérias de comercialização rural.

A propósito, o chefe do departamento de Fomento do Comércio Rural do Ministério da Indústria e Comércio, Evaristo Baptista, disse que a iniciativa de legalização das cooperativas visa facilitar o acesso ao crédito bancário e apoiar o transporte na linha do comércio rural, dentro da política do Governo em adquirir 500 carrinhas afins.

Recordou que as carrinhas, com capacidade de carga de 6.5 toneladas e atracção 4x4, destinar-se-ão às zonas de produção  do campo para os centros comerciais de Luanda, Benguela, Huambo e Huíla.

O responsável explicou que, para tal, o processo de legalização está isento de burocracias e de qualquer custo, devendo o interessado apenas apresentar o Bilhete de Identidade e outros documentos afins.

Já o director do Gabinete do Desenvolvimento Económico Integrado do Huambo, Manuel Vintongui, destacou a importância do processo, por constituir um dos pilares da reconversão informal que inicia com a formação e formalização de cooperativas agrícolas e outras ligadas à comercialização.

Considerada no passado como “Rainha do Milho de Angola”, a província do Huambo, Planalto Central de Angola, possui uma população acima dos dois milhões e 500 mil habitantes, distribuídos em 11 municípios e que têm nas potencialidades agro-pecuárias a principal fonte de rendimento.

Com término previsto para segunda-feira, o evento junta 200 produtores filiados em cooperativas e associações, com vista à promoção local do associativismo de produção e comercialização.

Constam dos temas em debates, as novas práticas agrícolas, a transformação dos produtos agro-pecuários e matérias de comercialização rural.

A propósito, o chefe do departamento de Fomento do Comércio Rural do Ministério da Indústria e Comércio, Evaristo Baptista, disse que a iniciativa de legalização das cooperativas visa facilitar o acesso ao crédito bancário e apoiar o transporte na linha do comércio rural, dentro da política do Governo em adquirir 500 carrinhas afins.

Recordou que as carrinhas, com capacidade de carga de 6.5 toneladas e atracção 4x4, destinar-se-ão às zonas de produção  do campo para os centros comerciais de Luanda, Benguela, Huambo e Huíla.

O responsável explicou que, para tal, o processo de legalização está isento de burocracias e de qualquer custo, devendo o interessado apenas apresentar o Bilhete de Identidade e outros documentos afins.

Já o director do Gabinete do Desenvolvimento Económico Integrado do Huambo, Manuel Vintongui, destacou a importância do processo, por constituir um dos pilares da reconversão informal que inicia com a formação e formalização de cooperativas agrícolas e outras ligadas à comercialização.

Considerada no passado como “Rainha do Milho de Angola”, a província do Huambo, Planalto Central de Angola, possui uma população acima dos dois milhões e 500 mil habitantes, distribuídos em 11 municípios e que têm nas potencialidades agro-pecuárias a principal fonte de rendimento.