FAO cria fábrica artesanal de suplemento animal

  • Logotipo da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO)
Huambo – O Fundo das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) propôs-se a criar, este ano, no Huambo, uma fábrica artesanal para produção de suplemento animal, âmbito do projecto MOSAP II.

A informação foi avançada, há dias, à Angop, pelo coordenador local da referida organização internacional, Celestino Essuvo, referindo que o projecto visa minimizar as dificuldades dos produtores agro-pecuários no acesso a este bem.

O mesmo prevê beneficiar mil e 420 pequenos produtores organizados nas escolas de campo do municípios do Huambo, Londuimbali, Bailundo, Caála, Ecunha, Longonjo e Ucuma, incluindo a entrega de kits de veterinária.

Conforme o responsável, a criação desta fábrica está enquadrada no projecto de emergência denominado "Cerf 4", que resulta de inquérito feito pela FAO, com foco na mitigação dos efeitos da seca.

Celestino Essuvo sustentou que, ainda no quadro do projecto Cerf 4, desde Setembro, o Fundo das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura está a distribuir estacas de mandioqueiras e sementes de milho, massango, massambala, batata-doce e hortícolas, numa acção que vai até até Fevereiro de 2022. 

"Tratar-se de culturas resistentes à seca, no quadro das estratégias de combate à pobreza", referiu o coordenador do Fundo das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), a nível do Huambo.

A informação foi avançada, há dias, à Angop, pelo coordenador local da referida organização internacional, Celestino Essuvo, referindo que o projecto visa minimizar as dificuldades dos produtores agro-pecuários no acesso a este bem.

O mesmo prevê beneficiar mil e 420 pequenos produtores organizados nas escolas de campo do municípios do Huambo, Londuimbali, Bailundo, Caála, Ecunha, Longonjo e Ucuma, incluindo a entrega de kits de veterinária.

Conforme o responsável, a criação desta fábrica está enquadrada no projecto de emergência denominado "Cerf 4", que resulta de inquérito feito pela FAO, com foco na mitigação dos efeitos da seca.

Celestino Essuvo sustentou que, ainda no quadro do projecto Cerf 4, desde Setembro, o Fundo das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura está a distribuir estacas de mandioqueiras e sementes de milho, massango, massambala, batata-doce e hortícolas, numa acção que vai até até Fevereiro de 2022. 

"Tratar-se de culturas resistentes à seca, no quadro das estratégias de combate à pobreza", referiu o coordenador do Fundo das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), a nível do Huambo.