Cooperativas recebem 10 embarcações de pesca artesanal

  • Novas embracações vão facilitar o desenvolvimento da actividade dos pescadores ( foto ilustração)
Sumbe – Oito cooperativas de pesca artesanal receberam hoje, no Sumbe, província do Cuanza Sul, 10 embarcações com os respectivos motores fora de bordo, uma iniciativa do Ministério da Agricultura, Pecuária e Pescas.

A entrega das referidas embarcações coube à secretária do Estado das Pescas, Esperança Francisco Costa, que assegurou o compromisso do Governo em continuar apoiar, sobretudo, a juventude neste sector, com vista a criar mais empregos e gerar renda.

 “A pesca artesanal merecerá o nosso apoio, dotando os pescadores com meios de capturas”, sublinhou a secretária de Estado.

O representante da cooperativa Ngunza Cabolo, Jorge dos Santos, enalteceu o apoio do Governo  por via do Ministério das Pescas.

“Temos parte da situação resolvida e continuaremos a trabalhar para suprir a falta de material de pesca, crédito bancário, a instalação de câmara frigorífica, distribuição e venda do pescado”, realçou.

O subsector das pescas conta com 16 empresas e 34 cooperativas, entre as quais 12 dedicam-se à captura, transformação e comercialização de pescado e uma frota pesqueira composta por cinco embarcações industrial, três semi-industrial e mais de 860 artesanais.

Em 2020, foram capturadas 13 mil e 142 toneladas de pescado diverso, uma redução oito mil e 472 toneladas em relação ao período anterior os empregos caíram de dois e 901 para mil e 919 com recurso a 865 embarcações.

No mesmo período foram licenciadas, pelo menos, nove embarcações novas e renovadas as licenças de mais de 50 embarcações.

A província do Cuanza Sul tem uma zona costeira de 178 quilómetros lineares que abrange os municípios do Sumbe e Porto Amboim.

 

 

A entrega das referidas embarcações coube à secretária do Estado das Pescas, Esperança Francisco Costa, que assegurou o compromisso do Governo em continuar apoiar, sobretudo, a juventude neste sector, com vista a criar mais empregos e gerar renda.

 “A pesca artesanal merecerá o nosso apoio, dotando os pescadores com meios de capturas”, sublinhou a secretária de Estado.

O representante da cooperativa Ngunza Cabolo, Jorge dos Santos, enalteceu o apoio do Governo  por via do Ministério das Pescas.

“Temos parte da situação resolvida e continuaremos a trabalhar para suprir a falta de material de pesca, crédito bancário, a instalação de câmara frigorífica, distribuição e venda do pescado”, realçou.

O subsector das pescas conta com 16 empresas e 34 cooperativas, entre as quais 12 dedicam-se à captura, transformação e comercialização de pescado e uma frota pesqueira composta por cinco embarcações industrial, três semi-industrial e mais de 860 artesanais.

Em 2020, foram capturadas 13 mil e 142 toneladas de pescado diverso, uma redução oito mil e 472 toneladas em relação ao período anterior os empregos caíram de dois e 901 para mil e 919 com recurso a 865 embarcações.

No mesmo período foram licenciadas, pelo menos, nove embarcações novas e renovadas as licenças de mais de 50 embarcações.

A província do Cuanza Sul tem uma zona costeira de 178 quilómetros lineares que abrange os municípios do Sumbe e Porto Amboim.