Angola e Turquia reforçam balança comercial

  • Presidente da República, João Lourenço, empossa nova Juíza Conselheira Presidente do Tribunal Constitucional
Ankara (dos enviados especiais) – O presidente do Conselho de Relações Económicas com o Exterior da Turquia (DEIK), Nail Olpak, anunciou, esta quarta-feira, em Ankara, um aumento da balança comercial com Angola, estimado em 500 milhões de dólares americanos.

Ao intervir no Fórum Empresarial entre os dois países, o responsável disse que a balança comercial entre ambos os Estados está cifrada em USD 178 milhões, números aquém do desejado.

Reconheceu que o comércio bilateral entre angolanos e turcos ainda não mostra o potencial real dos dois países, daí a necessidade de se reforçar os investimentos.

"Vamos ter responsabilidades com isso", referiu, sublinhando que as empresas do seu país já terão investidos em Angola mais de USD 800 milhões, em projectos diversos.

Disse acreditar que os dois Estados podem fazer muito mais no domínio do investimento.

"Nós somos amigos, mas o comércio bilateral não mostra o nosso potencial", expressou, sublinhando que os acordos assinados na terça-feira, no quadro da visita de Estado do Presidente angolano, João Lourenço, à Turquia, são muito importantes.

Solicitou, por outro lado, facilidades na aquisição de vistos para Angola a fim de aumentar a presença de investidores turcos, tendo mostrado interesse na exploração de aço.

Anunciou que os empresários do seu país vão trabalhar para aumentar a cooperação bilateral, que se prevê mais sólida e diversificada, fruto da assinatura de 10 novos acordos bilaterais, que foi o ponto alto da visita do Estadista angolano a esse país.

Por sua vez, o ministro do Comércio da Turquia, Mehmet Mus, disse que o fórum vai ajudar a consolidar as relações com Angola, em particular, e África, em geral.

Assegurou que o seu país dá grande importância ao continente africano, onde investiu, até 2013, um total de USD cinco biliões, que aumentou para USD 25 biliões, em 2021.

Referiu que os construtores turcos já investiram USD 70 biliões em projectos em África, sublinhando o desejo do seu país em continuar a potenciar o comércio com Angola.

Tendo em vista o potencial existente em Angola e na Turquia, disse acreditar que os dois países cheguem às novas metas em muito pouco tempo, tendo saudado o convite do Presidente angolano ao seu homólogo turco para visitar o país.

Manifestou o desejo dos empresários do seu país investirem na construção de hospitais, portos, estradas, aeroportos em Angola, o que acredita vir a ser facilitado com o começo das frequências de voos directos da Turkish Airlines a Luanda.

Por sua vez, o ministro dos Transportes de Angola, Ricardo de Abreu, afirmou, em resposta às questões dos empresários turcos, que Angola está interessada em desenvolver a indústria naval, e lamentou o facto de não existir nada em concreto neste domínio.

Anunciou que, nesta altura, está a ser desenvolvido um projecto para a região de Porto Amboim, província do Cuanza Sul, onde se prevê criar uma infra-estrutura marítima e portuária.

A mesma, adiantou, terá como foco o desenvolvimento de capacidade naval, para manutenção e construção. "Temos todo interesse e estamos totalmente disponíveis", garantiu às dezenas de empresários turcos que participaram do fórum empresarial.

Também presente no evento, o ministro de Estado da Coordenação Económica, Manuel Nunes Júnior, salientou que Angola tem como principal foco a criação de uma economia que cresça de maneira sustentável e sustentada, ou seja, que não dependa só de um produto de exportação.

Todavia, disse que o país precisa de criar infra-estrutras que garantam o desenvolvimento com eficiência do investimento privado, tendo destacado o facto de o Exin Bank da Turquia anunciar uma linha de financiamento para ajudar investidores turcos em Angola.

"Esse é um elemento muito importante, porque vai facilitar a vida dos empresários turcos nos seus investimentos em Angola, nesta área de infra-estuturas, e contribuir para que õ país tenha condições necessárias para ter o investimento privado regular", referiu.

Segundo o ministro de Estado, as empresas públicas são muito bem-vindas neste domínio, não só na criação de infraestruturas, mas de outros ligados à criação de bens e serviços.

O Fórum Empresarial Angola-Turquia foi um dos pontos altos da jornada de trabalho do Presidente João Lourenço, que durante dois dias trabalhou com as autoridades turcas, tendo em vista o relançamento da cooperação e a identificação de novas parcerias estratégicas.

Ao intervir no Fórum Empresarial entre os dois países, o responsável disse que a balança comercial entre ambos os Estados está cifrada em USD 178 milhões, números aquém do desejado.

Reconheceu que o comércio bilateral entre angolanos e turcos ainda não mostra o potencial real dos dois países, daí a necessidade de se reforçar os investimentos.

"Vamos ter responsabilidades com isso", referiu, sublinhando que as empresas do seu país já terão investidos em Angola mais de USD 800 milhões, em projectos diversos.

Disse acreditar que os dois Estados podem fazer muito mais no domínio do investimento.

"Nós somos amigos, mas o comércio bilateral não mostra o nosso potencial", expressou, sublinhando que os acordos assinados na terça-feira, no quadro da visita de Estado do Presidente angolano, João Lourenço, à Turquia, são muito importantes.

Solicitou, por outro lado, facilidades na aquisição de vistos para Angola a fim de aumentar a presença de investidores turcos, tendo mostrado interesse na exploração de aço.

Anunciou que os empresários do seu país vão trabalhar para aumentar a cooperação bilateral, que se prevê mais sólida e diversificada, fruto da assinatura de 10 novos acordos bilaterais, que foi o ponto alto da visita do Estadista angolano a esse país.

Por sua vez, o ministro do Comércio da Turquia, Mehmet Mus, disse que o fórum vai ajudar a consolidar as relações com Angola, em particular, e África, em geral.

Assegurou que o seu país dá grande importância ao continente africano, onde investiu, até 2013, um total de USD cinco biliões, que aumentou para USD 25 biliões, em 2021.

Referiu que os construtores turcos já investiram USD 70 biliões em projectos em África, sublinhando o desejo do seu país em continuar a potenciar o comércio com Angola.

Tendo em vista o potencial existente em Angola e na Turquia, disse acreditar que os dois países cheguem às novas metas em muito pouco tempo, tendo saudado o convite do Presidente angolano ao seu homólogo turco para visitar o país.

Manifestou o desejo dos empresários do seu país investirem na construção de hospitais, portos, estradas, aeroportos em Angola, o que acredita vir a ser facilitado com o começo das frequências de voos directos da Turkish Airlines a Luanda.

Por sua vez, o ministro dos Transportes de Angola, Ricardo de Abreu, afirmou, em resposta às questões dos empresários turcos, que Angola está interessada em desenvolver a indústria naval, e lamentou o facto de não existir nada em concreto neste domínio.

Anunciou que, nesta altura, está a ser desenvolvido um projecto para a região de Porto Amboim, província do Cuanza Sul, onde se prevê criar uma infra-estrutura marítima e portuária.

A mesma, adiantou, terá como foco o desenvolvimento de capacidade naval, para manutenção e construção. "Temos todo interesse e estamos totalmente disponíveis", garantiu às dezenas de empresários turcos que participaram do fórum empresarial.

Também presente no evento, o ministro de Estado da Coordenação Económica, Manuel Nunes Júnior, salientou que Angola tem como principal foco a criação de uma economia que cresça de maneira sustentável e sustentada, ou seja, que não dependa só de um produto de exportação.

Todavia, disse que o país precisa de criar infra-estrutras que garantam o desenvolvimento com eficiência do investimento privado, tendo destacado o facto de o Exin Bank da Turquia anunciar uma linha de financiamento para ajudar investidores turcos em Angola.

"Esse é um elemento muito importante, porque vai facilitar a vida dos empresários turcos nos seus investimentos em Angola, nesta área de infra-estuturas, e contribuir para que õ país tenha condições necessárias para ter o investimento privado regular", referiu.

Segundo o ministro de Estado, as empresas públicas são muito bem-vindas neste domínio, não só na criação de infraestruturas, mas de outros ligados à criação de bens e serviços.

O Fórum Empresarial Angola-Turquia foi um dos pontos altos da jornada de trabalho do Presidente João Lourenço, que durante dois dias trabalhou com as autoridades turcas, tendo em vista o relançamento da cooperação e a identificação de novas parcerias estratégicas.