AGT arrecada cinco mil milhões de Kwanzas no Bié

Cuito- Cinco mil milhões de Kwanzas foram arrecadados de Janeiro à presente data, pela Administração Geral Tributária (AGT) do Bié, fruto do combate cerrado ao fisco, soube hoje a ANGOP.

Segundo o responsável da AGT no Bié, Ivo Nhany, a previsão era arrecada dois mil milhões e 600 milhões de Kwanzas.

O também chefe da Repartição Fiscal do Cuito sublinhou que o valor arrecadado resulta de mais de 50 por cento do Imposto de Rendimento do Trabalho, assim como na retenção na fonte dos Sistemas Integrados de Gestão Tributária.

Apesar do ano ainda não terminar, Ivo Nhany disse haver maior arrecadação em 2021, por causa da retenção na fonte que não se fazia até 2020 na província do Bié.

Esta política faz com que as empresas que prestam algum serviço ao Estado e que tenham contribuição/receitas pagam impostos.

Acrescentou que a AGT começou a intensificar as acções de sensibilização que visam desencorajar a fuga ao fisco junto de diversas instituições, assim como está a capacitar os seus quadros de modo que melhorem a actuação, para que haja mais arrecadação de receitas para os cofres do Estado.

O Ministério das Finanças pretende, ainda este ano, instalar postos fiscais nas administrações municipais do Bié, de modo a facilitar que o contribuinte fiscal deixe de percorrer longas distâncias para os pagamentos de impostos.

Nesta senda, serão instalados postos fiscais nas administrações de Nhârea, Catabola, Cunhinga, Cuemba e Chitembo, que vão se juntar aos municípios do Cuito, Camacupa, Andulo e Chinguar.

Segundo o responsável da AGT no Bié, Ivo Nhany, a previsão era arrecada dois mil milhões e 600 milhões de Kwanzas.

O também chefe da Repartição Fiscal do Cuito sublinhou que o valor arrecadado resulta de mais de 50 por cento do Imposto de Rendimento do Trabalho, assim como na retenção na fonte dos Sistemas Integrados de Gestão Tributária.

Apesar do ano ainda não terminar, Ivo Nhany disse haver maior arrecadação em 2021, por causa da retenção na fonte que não se fazia até 2020 na província do Bié.

Esta política faz com que as empresas que prestam algum serviço ao Estado e que tenham contribuição/receitas pagam impostos.

Acrescentou que a AGT começou a intensificar as acções de sensibilização que visam desencorajar a fuga ao fisco junto de diversas instituições, assim como está a capacitar os seus quadros de modo que melhorem a actuação, para que haja mais arrecadação de receitas para os cofres do Estado.

O Ministério das Finanças pretende, ainda este ano, instalar postos fiscais nas administrações municipais do Bié, de modo a facilitar que o contribuinte fiscal deixe de percorrer longas distâncias para os pagamentos de impostos.

Nesta senda, serão instalados postos fiscais nas administrações de Nhârea, Catabola, Cunhinga, Cuemba e Chitembo, que vão se juntar aos municípios do Cuito, Camacupa, Andulo e Chinguar.