Italiano Lamont Jacobs é o novo Bolt

Luanda - O atleta italiano Lamont Marcell Jacobs é o novo campeão olímpico dos 100 metros, triunfando na final disputada no Estádio Olímpico de Tóquio, com o tempo de 9,80 segundos, novo recorde europeu.

O campeão de Tóquio2020, nascido há 26 anos no Texas, de mãe italiana e pai norte-americano, sucede assim ao lendário jamaicano Usain Bolt, campeão das três edições anteriores.

Com a prata ficou o norte-americano Fred Kerley (9,84) e com o bronze o canadiano Andre de Grasse (9,89).

Jacobs, que não era apontado como favorito, é o primeiro europeu campeão no hectómetro olímpico desde 1992, ano do sucesso do britânico Linford Christie.

Os Estados Unidos, que já estavam privados do campeão do Mundo, Christian Coleman, por três ausências ao controlo antidoping, ficaram nas meias-finais sem o principal favorito e líder da época, Trayvon Bromell.

Patrícia Mamona medalha de prata e Yulimar Rojas bate recorde do mundo

 Patrícia Mamona sagrou-se vice - campeã olímpica no triplo salto.

A portuguesa acabou o cocurso com um salto de 14,97 m.

Ouro coube a Yulimar Rojas, que bateu o recorde do mundo no último ensaio.

 A venezuelana saltou 15,67m e superou a marca que pertencia à ucraniana Inessa Kravets, com 15,50 metros, desde 1995.

 

O campeão de Tóquio2020, nascido há 26 anos no Texas, de mãe italiana e pai norte-americano, sucede assim ao lendário jamaicano Usain Bolt, campeão das três edições anteriores.

Com a prata ficou o norte-americano Fred Kerley (9,84) e com o bronze o canadiano Andre de Grasse (9,89).

Jacobs, que não era apontado como favorito, é o primeiro europeu campeão no hectómetro olímpico desde 1992, ano do sucesso do britânico Linford Christie.

Os Estados Unidos, que já estavam privados do campeão do Mundo, Christian Coleman, por três ausências ao controlo antidoping, ficaram nas meias-finais sem o principal favorito e líder da época, Trayvon Bromell.

Patrícia Mamona medalha de prata e Yulimar Rojas bate recorde do mundo

 Patrícia Mamona sagrou-se vice - campeã olímpica no triplo salto.

A portuguesa acabou o cocurso com um salto de 14,97 m.

Ouro coube a Yulimar Rojas, que bateu o recorde do mundo no último ensaio.

 A venezuelana saltou 15,67m e superou a marca que pertencia à ucraniana Inessa Kravets, com 15,50 metros, desde 1995.