Rainha aponta agricultura solução para o emprego

  • Famílias envolvidas no projecto "Terras Altas da Huíla"
Matala - A rainha Laurinda Kahoma, do sector da Bamba, município da Matala, província da Huíla, incentivou hoje, a juventude a trabalhar no campo e a olhar a agricultura como uma solução para a actual carência de emprego.

A autoridade tradicional, que falava após um encontro com o governador da Huíla, Nuno Mahapi, afirmou que crescem as queixas sobre a crise de emprego no município, forçando a juventude a migrar para as cidades.

Nuno Mahapi trabalhou no município da Matala, onde desenvolveu uma agenda de contactos e visitas.

Para a única soberana no activo na província, a geração de emprego não pode ser só da esponsabilidade do governo, que está a criar políticas de financiamento de projectos para jovens, sobretudo na agricultura. e que  devem ser aproveitadas.

Defendeu que cada um, onde estiver, pode “criar o seu mundo”, sem habituar-se a esperar do Estado todas as soluções, porque em nenhuma parte do mundo o governo “oferece emprego para todos, daí que é importante tomar consciência que a vida está no campo e não nos gabinetes”.

“Todos queremos viver na cidade para estar nos gabinetes, mas esses não chegam para todos. Para além do problema das pessoas estarem a morrer de Covid-19, passam fome, o que pode ser evitado com a produção de alimentos no campo”, continuou.

A rainha salientou que cada um deve procurar fazer o que pode para ajudar o País a crescer, uma vez que Angola tem todos os recursos necessários para o efeito.

O sector da Bamba dista 30 quilómetros da sede municipal da Matala e conta com uma população estimada em 25 mil habitantes.

A autoridade tradicional, que falava após um encontro com o governador da Huíla, Nuno Mahapi, afirmou que crescem as queixas sobre a crise de emprego no município, forçando a juventude a migrar para as cidades.

Nuno Mahapi trabalhou no município da Matala, onde desenvolveu uma agenda de contactos e visitas.

Para a única soberana no activo na província, a geração de emprego não pode ser só da esponsabilidade do governo, que está a criar políticas de financiamento de projectos para jovens, sobretudo na agricultura. e que  devem ser aproveitadas.

Defendeu que cada um, onde estiver, pode “criar o seu mundo”, sem habituar-se a esperar do Estado todas as soluções, porque em nenhuma parte do mundo o governo “oferece emprego para todos, daí que é importante tomar consciência que a vida está no campo e não nos gabinetes”.

“Todos queremos viver na cidade para estar nos gabinetes, mas esses não chegam para todos. Para além do problema das pessoas estarem a morrer de Covid-19, passam fome, o que pode ser evitado com a produção de alimentos no campo”, continuou.

A rainha salientou que cada um deve procurar fazer o que pode para ajudar o País a crescer, uma vez que Angola tem todos os recursos necessários para o efeito.

O sector da Bamba dista 30 quilómetros da sede municipal da Matala e conta com uma população estimada em 25 mil habitantes.