Campanha agrícola abrange mais famílias no Cuito

Cuito - A campanha agrícola 2021/2022 do município do Cuito, capital da província do Bié, arrancou hoje com o alargamento de quarenta e cinco mil famílias a serem assistidas em três épocas, mais 10 mil em relação à época anterior.

Cada uma das famílias tem como previsão cultivar mais de dois hectares, de modo que se atinja mais de 90 mil em toda campanha agrícola.

Estão preparadas, para o efeito, mil e 200 hectares.

A informação foi prestada à ANGOP, na aldeia de Nguly, local que acolheu a abertura da actividade, pelo director da Agricultura do Cuito, Felizardo Brito Capepula.

O responsável sublinhou que, nesta primeira fase, as famílias camponesas serão assistidas com vários projectos, com realce para o Combate à Pobreza, Programa de Desenvolvimento Rural (PDR), Prodesi e Fada.

Neste momento, os camponeses estão a beneficiar de 80 toneladas de adubo, 41 de ureia, 35 de sulfato de amónio, 30 de milho, 15 de feijão, dez de soja, cinco de trigo e distintas sementes de hortícolas, mandiocas e outros tubérculos, com previsão de uma colheita acima de 400 mil toneladas de diferentes produtos.

Felizardo Brito Capepula avançou que a segunda fase arranca tão logo chega mais inputs agrícolas na província, sobretudo Dezembro, enquanto a terceira deverá ocorrer nos primeiros meses de 2022, visando atingir os objectivos do Governo virados ao fomento da produção nacional.

Por sua vez, o administrador do Cuito, Abel Guerra Paulo, afirmou que, para além de inputs, as famílias camponesas vão ser assistidas com as quatro brigadas de mecanização agrícola existentes no município, bem como serão capacitadas em várias técnicas de produção nas 205 escolas de campos controladas, em que conta com 30 técnicos da Estação de Desenvolvimento Agrário (EDA).

Abel Guerra Paulo avançou ainda ser pretensão da Administração Local do Estado implementar nesta campanha agrícola os programas de repovoamento florestais, produção animal, pesca continental, piscicultura, e outros, visando fortalecer as famílias camponesas no que tange ao fomento da pecuária e agricultura no geral.

Por isso, recomendou à necessidade dos habitantes locais se envolverem activamente na presente época agrícola, para possibilitar que haja redução significativa da fome e da pobreza no seio das comunidades, bem como a exportar o excedente tendo em conta a diversificação da economia nacional.

O município do Cuito possui perto de 600 mil habitantes, distribuídos nas comunas do Cunje, Trumba, Chicala e Cambândua. Controla 125 cooperativas e 226 associações de camponeses.

Cada uma das famílias tem como previsão cultivar mais de dois hectares, de modo que se atinja mais de 90 mil em toda campanha agrícola.

Estão preparadas, para o efeito, mil e 200 hectares.

A informação foi prestada à ANGOP, na aldeia de Nguly, local que acolheu a abertura da actividade, pelo director da Agricultura do Cuito, Felizardo Brito Capepula.

O responsável sublinhou que, nesta primeira fase, as famílias camponesas serão assistidas com vários projectos, com realce para o Combate à Pobreza, Programa de Desenvolvimento Rural (PDR), Prodesi e Fada.

Neste momento, os camponeses estão a beneficiar de 80 toneladas de adubo, 41 de ureia, 35 de sulfato de amónio, 30 de milho, 15 de feijão, dez de soja, cinco de trigo e distintas sementes de hortícolas, mandiocas e outros tubérculos, com previsão de uma colheita acima de 400 mil toneladas de diferentes produtos.

Felizardo Brito Capepula avançou que a segunda fase arranca tão logo chega mais inputs agrícolas na província, sobretudo Dezembro, enquanto a terceira deverá ocorrer nos primeiros meses de 2022, visando atingir os objectivos do Governo virados ao fomento da produção nacional.

Por sua vez, o administrador do Cuito, Abel Guerra Paulo, afirmou que, para além de inputs, as famílias camponesas vão ser assistidas com as quatro brigadas de mecanização agrícola existentes no município, bem como serão capacitadas em várias técnicas de produção nas 205 escolas de campos controladas, em que conta com 30 técnicos da Estação de Desenvolvimento Agrário (EDA).

Abel Guerra Paulo avançou ainda ser pretensão da Administração Local do Estado implementar nesta campanha agrícola os programas de repovoamento florestais, produção animal, pesca continental, piscicultura, e outros, visando fortalecer as famílias camponesas no que tange ao fomento da pecuária e agricultura no geral.

Por isso, recomendou à necessidade dos habitantes locais se envolverem activamente na presente época agrícola, para possibilitar que haja redução significativa da fome e da pobreza no seio das comunidades, bem como a exportar o excedente tendo em conta a diversificação da economia nacional.

O município do Cuito possui perto de 600 mil habitantes, distribuídos nas comunas do Cunje, Trumba, Chicala e Cambândua. Controla 125 cooperativas e 226 associações de camponeses.