África do Sul: SAHPRA aprova vacina da Pfizer para crianças

  • Vacina contra à Covid-19
Pretória (Da correspondente) - A Autoridade de Produtos de Saúde da África do Sul (SAHPRA- na sigla em inglês) deu hoje, segunda-feira, luz verde a administração da vacina da Pfizer contra a covid-19 a crianças a partir dos 12 anos de idade.

Segundo o órgão fiscalizador sul-africano, a aprovação da medida está contida nos termos da secção 21 da Lei de Medicamentos e Substâncias Relacionadas - Acta 101 de 1965, também conhecida como “Lei dos Medicamentos”.

A este propósito, o vice-reitor interino de Pesquisa e Inovação da Universidade do Kwazulu-Natal, Moss Mashable, adiantou que “inicialmente a covid-19 não afectava muito as crianças, mas, com surgimento da variante Delta, as coisas alteraram, registando-se muitos casos de contágios a menores de idade.

“Isso tem limitado os pequenos em termos de aprendizagem. Portanto, os meninos devem ser vacinados, especialmente porque nas escolas há encontros sociais diários e podem contribuir para que famílias voltem a ser infectadas por meio destes”, soblinhou.

Entretanto, o interlocutor aproveitou a ocasião para dar as boas vindas ao lançamento da fase principal de um estudo global da covid-19 em crianças e adolesçentes, liderado pelo fabricante chinês Sinovac Biotech.

Acrescentou que teses serão realizados em 14 mil crianças com idades entre seis meses e 17 anos. Para além da África do Sul, o processo é abrangente ao Chile, Filipinas, Malásia e Quénia.

 

Segundo o órgão fiscalizador sul-africano, a aprovação da medida está contida nos termos da secção 21 da Lei de Medicamentos e Substâncias Relacionadas - Acta 101 de 1965, também conhecida como “Lei dos Medicamentos”.

A este propósito, o vice-reitor interino de Pesquisa e Inovação da Universidade do Kwazulu-Natal, Moss Mashable, adiantou que “inicialmente a covid-19 não afectava muito as crianças, mas, com surgimento da variante Delta, as coisas alteraram, registando-se muitos casos de contágios a menores de idade.

“Isso tem limitado os pequenos em termos de aprendizagem. Portanto, os meninos devem ser vacinados, especialmente porque nas escolas há encontros sociais diários e podem contribuir para que famílias voltem a ser infectadas por meio destes”, soblinhou.

Entretanto, o interlocutor aproveitou a ocasião para dar as boas vindas ao lançamento da fase principal de um estudo global da covid-19 em crianças e adolesçentes, liderado pelo fabricante chinês Sinovac Biotech.

Acrescentou que teses serão realizados em 14 mil crianças com idades entre seis meses e 17 anos. Para além da África do Sul, o processo é abrangente ao Chile, Filipinas, Malásia e Quénia.