África do Sul começa a vacinar adolescentes com mais de 12 anos

  • Vacina contra a Covid-19
Joanesburgo - A África do Sul começará a vacinar adolescentes entre os 12 e os 17 anos contra a covid-19 na próxima semana e os adultos com problemas de imunidade poderão receber uma terceira dose, anunciou hoje o Governo, segundo noticiou a Lusa.

"Estamos prontos para abrir a campanha de vacinação aos jovens entre os 12 e os 17 anos, a maioria dos quais está no ensino secundário", disse o ministro da Saúde sul-africano, Joe Phaahla, numa conferência de imprensa.


Nos termos da lei sul-africana, as crianças com 12 anos ou mais só têm de dar o seu consentimento para serem vacinadas, sem necessidade de autorização dos pais.


A partir de quarta-feira, as crianças poderão receber uma primeira dose da vacina Pfizer, com uma segunda dose planeada após uma análise minuciosa dos possíveis efeitos secundários, disse o ministro.


Mais de um terço dos adultos na África do Sul, o país mais afectado pelo covid-19 no continente, receberam pelo menos uma dose da vacina, acrescentou.


A África do Sul introduziu também um sistema de certificação digital de vacinação, que é necessário para a participação em reuniões de massa, incluindo eventos desportivos.


Para pessoas com problemas de imunidade, o ministro disse que poderão receber uma terceira dose da vacina como reforço, mas apenas por recomendação médica.


A África do Sul regista mais de 88 mil mortos e 2,9 milhões de infectados pelo novo coronavírus.


A covid-19 provocou pelo menos 4.870.405 mortes em todo o mundo, entre mais de 239 milhões infecções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.


A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detectado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e actualmente com variantes identificadas em vários países.

 

"Estamos prontos para abrir a campanha de vacinação aos jovens entre os 12 e os 17 anos, a maioria dos quais está no ensino secundário", disse o ministro da Saúde sul-africano, Joe Phaahla, numa conferência de imprensa.


Nos termos da lei sul-africana, as crianças com 12 anos ou mais só têm de dar o seu consentimento para serem vacinadas, sem necessidade de autorização dos pais.


A partir de quarta-feira, as crianças poderão receber uma primeira dose da vacina Pfizer, com uma segunda dose planeada após uma análise minuciosa dos possíveis efeitos secundários, disse o ministro.


Mais de um terço dos adultos na África do Sul, o país mais afectado pelo covid-19 no continente, receberam pelo menos uma dose da vacina, acrescentou.


A África do Sul introduziu também um sistema de certificação digital de vacinação, que é necessário para a participação em reuniões de massa, incluindo eventos desportivos.


Para pessoas com problemas de imunidade, o ministro disse que poderão receber uma terceira dose da vacina como reforço, mas apenas por recomendação médica.


A África do Sul regista mais de 88 mil mortos e 2,9 milhões de infectados pelo novo coronavírus.


A covid-19 provocou pelo menos 4.870.405 mortes em todo o mundo, entre mais de 239 milhões infecções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.


A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detectado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e actualmente com variantes identificadas em vários países.