Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Sociedade

07 Fevereiro de 2009 | 02h15 - Atualizado em 07 Fevereiro de 2009 | 02h14

Mapess solicita maior sensibilização nos Centros de Formação Profissional

Luanda

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar


Luanda - O director provincial do Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social, Venceslau de Matos, disse hoje, sábado, que maior trabalho de sensibilização deve ser feito para que os jovens valorizem os conhecimentos adquiridos nos Centros de Formação Profissional.

Em declarações à Angop, para o balanço das actividade de 2008, Venceslau de Matos afirmou que muitos jovens formados nos Centros de Formação Profissional e enquadrados em várias empresas estão a desistir dos empregos.

"Estes jovens estão a desistir porque os salários não são aqueles que esperavam ou desejam. Por isso, eles preferem voltar para as ruas lavar carros, acreditando ser mais rentável", explicou.

Para o director do Mapess , é fundamental que os jovens recordem que Angola está em reconstrução, por isso existe a garantia de emprego para todos e em qualquer parte do país por muitos anos.

Segundo Venceslau de Matos, os jovens devem ganhar consciência da mobilidade geográfica no sentido de abarcar todo o país, pois as vagas podem ser encontradas onde existirem obras e os salários variam.

A criação dos Centros Profissionais e de Pavilhões de Artes e Ofícios, de acordo com o responsável, possibilitou que centenas de jovens que se encontravam na rua como vendedores ambulantes, outros envolvidos em actos pouco recomendáveis tenham agora uma formação, estando alguns enquadrados no mercado de trabalho.

Para que os jovens tenham acesso aos Pavilhões de Artes e Ofícios, o Mapess não faz nenhum tipo de exigência, sendo apenas necessário que se identifiquem como angolanos. "Não lhe é exigida habilitações literária, pois existem cursos que vão de encontro a estas pessoas como agricultura, canalização, alvenaria e electricidade", explicou.

Para além dos Pavilhões de Artes e Ofícios e Centros de Formação, existe o Centro Integrado de Formação Tecnológica (Cinfotec) no Talatona e o de Construção Civil (cursos de mestre de obras e topografia) que exige habilitações literárias de todos os interessados, explicou.

Segundo o responsável, o município da Ingombota é o único com um Centro de Formação não possuindo Pavilhão de Artes e Ofícios, por falta de espaço disponível para a construção de um, mas todos os municípios de Luanda possuem centros de formação e pavilhões de artes e ofícios.

Questionado sobre a inspecção nas empresas, afirmou que o Mapess tem o controlo das instituições que continuam a violar as normas da Administração Pública principalmente nos meses de Novembro e Dezembro.

Venceslau de Matos apontou estes dois meses como os mais conflituosos, porque as empresas fogem das suas obrigações, despedindo os trabalhadores para não pagar o subsídio de natal e de férias.

O director provincial do Mapess enalteceu o trabalho de esclarecimento feito pelos órgãos de comunicação social sobre os direitos e deveres do trabalhador, pois muitos lesados têm procurado o Mapess para a resolução dos litígios.

Nos centros de formação profissional e pavilhões de artes e ofícios os jovens adquirem conhecimentos sobre mecânica, electricidade, serralharia, corte e costura, informática, alvenaria, canalização, pastelaria e decoração, e atende, por norma, em cada ciclo com duração de três meses, mais de cem jovens.

Assuntos Província » Luanda  

Leia também
  • 22/08/2013 22:13:43

    Órgãos de Comunicação Social requalificam programação

    Segundo o responsável, que falava durante o fórum de auscultação aos jovens religiosos, apesar destes canais públicos já apresentarem muitas melhorias na sua grelha de programação, abordando temas candentes à problemática juvenil e social, decorrem esforços para se melhorar ainda mais a ...

  • 22/08/2013 22:08:11

    Piores formas de trabalho infantil registam-se nas fronteiras

    Maria Luísa da Silva teceu tal informação ao falar à Angop a propósito do tema “Trabalho Infantil e suas Consequências”, no qual avançou que os adultos, que fogem ao fisco nessas zonas, procuram mão-de-obra barata, logo têm nos menores o seu alvo. Outro ponto indicado pela sindicalista são ...

  • 22/08/2013 21:58:29

    Ministra da Cultura ausculta preocupações dos jovens religiosos

    Segundo a governante, que falava durante o acto de abertura de mais uma reunião de auscultação aos jovens, promovido pelo Executivo central, que decorre sob o lema”Dialogar para Desenvolver”, os jovens religiosos são, igualmente, um grande parceirosocial no que tange a implementação e divulgação ...

  • 22/08/2013 21:04:33

    Igreja considera imprescindível envolvimento das famílias no combate à criminalidade

    Em declarações à Angop, à margem do I Congresso dos Adolescentes da Igreja Assembleia de Deus Pentecostal, que decorre desde o dia 21 até 25 deste mês, no município do Cazenga, na capital do país, o responsável disse ser importante que haja mais envolvimento das famílias, enquanto núcleo da ...