Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Sociedade

16 Julho de 2009 | 12h30 - Atualizado em 17 Julho de 2009 | 06h42

Desintegração de famílias contribuiu para perda de valores

Moral

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Jurista Lazarino Poulson

Foto: Angop

Luanda - O docente universitário Lazarino Poulson disse nesta quinta-feira, em Luanda, que a desintegração das famílias no período da guerra civil em Angola foi um dos factores que contribuiu para a perda dos valores morais e cívicos da sociedade.

Em declarações à Angop, a propósito do tema "Resgate dos valores morais”, Lazarino Poulson referiu que aliado ao facto de desintegração, existe o factor de desestruturação da sociedade no período monolítico.

“Logo após a independência, por um lado, pessoas humildes e sem recursos adaptaram-se a um novo país, que depois foram confrontados com uma guerra, onde tiveram que abandonar as suas zonas e um tipo de vida para sobreviverem nos grandes centros urbanos”, acrescentou.

Segundo a fonte, a ausência da família base fez com que certas crianças crescessem sem um membro familiar que servisse de referência para os mais novos.

Lazarino Poulson sublinhou que por causa da guerra, o núcleo duro da família e a célula base da sociedade fosse descaracterizado na perca de valores morais e cívico.

O jurista considerou que para o resgate dos valores morais e cívico no país é necessário a intervenção de todas as forças da sociedade.

A igreja, fez saber, tem um papel fundamental para o resgate, acalmar os espíritos, incutir as pessoas a fé cristã.

Os valores que a igreja preserva, enfatizou, torna a sociedade mais justa, mais conforme a moral e complementa o papel do Estado.

Para si, o jurista desempenha também um papel fundamental no resgate dos valores morais, na formação jurídica dos cidadãos, dando a possibilidade de fazer com que as pessoas compreendam as leis que regem o Estado.

“O jurista, em conjugação com algumas instituições públicas, pode contribuir com que o cidadão possa ter uma formação moral, religiosa e jurídica”, frisou.

O interlocutor apelou no sentido de se dar mais atenção ao ensino como instituição que forma os futuros quadros do país, que deve servir como modelo.

“(…) a educação deve criar as bases onde possam formar bons quadros de forma a termos professores com capacidade de servirem de guias aos estudantes que são na sua maioria crianças que tem como modelo os docentes”, precisou.