Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Sociedade

12 Março de 2012 | 22h00 - Actualizado em 12 Março de 2012 | 22h00

Empresário lamenta falta de atracções nas festas do mar

Namibe

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Namibe - O empresário Carlos Lanucha, frequentador das festas do mar na província do Namibe desde a época colonial, está esperançoso na recuperação da mística deste evento, cuja última edição teve inicio dia três do corrente mês, com poucas atracções no domínio recreativo e cultural.

Falando á Angop hoje, segunda-feira, o empresário Carlos Lanucha, s frequentadores das festas do mar desde a época colonial, afirmou que existe um esforço para que as festas do mar, ocupem o seu lugar na província e do país.

De acordo com o munícipe, se a juventude empenhar-se melhor na promoção de cada edição das festas do mar, muita coisa pode melhorar em termos de perspectivas.

Fazendo comparação com as festas do mar em décadas setenta e oitenta, Carlos Lanucha disse que actualmente a questão cultural ainda está abaixo daquilo que se fazia antigamente.

Segundo o mesmo, antigamente havia concertos de música clássica.

Lembrou que no Clube Náutico, poetas e outros homens de letras, declamavam as suas obras, para além de exposição de pinturas, de artistas plásticos famosos, como António Ferreira, Vitex, para além de exposições fotográficas. 

Na sua óptica, tudo passaria pelos patrocínios que muitas das vezes não se fazem sentir actualmente, para concretização de todas essas acções. 

Carlos Lanucha disse ainda que, antigamente fazia-se de boa vontade, actualmente tudo paga-se.

Para o ancião, tudo passa pelo desenvolvimento do turismo na província, criando incentivos, desburocratizando os vistos de entrada dos turistas, realizando palestras e debates sobre a importância das festas do mar, no fomento do turismo, nos seus variados domínios.

“É difícil contratar agentes culturais para promoção de um programa cultural e recreativo mais sugestivo. Mas estou esperançoso que muita coisa vai melhorar no decorrer do tempo”enfatizou.

Entretanto, regista-se um ligeiro interregno na presente edição, cujo programa vai reatar quinta-feira com a realização de um fórum sobre o turismo que se faz no Namibe.

O fórum vai abordar o actual estado das infra-estruturas económicas, sociais e culturais.

Estão presentes nesta edição das festas do mar, mais de 20 feirantes, entre os quais stands de venda de viaturas, para além de barracas de exposição de arte que retratam os usos e costumes desta região.

Assuntos Província » Namibe  

Leia também