Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Sociedade

21 Outubro de 2005 | 06h26

Igreja Tocoísta realiza domingo culto de acção de graças

Luanda

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Culto da Igreja Tocoísta

Foto: Foto Angop

Luanda, 21/10 - Um culto de acção de graças para comemorar o 22 de Outubro, dia da primeira prisão de Simão Toco e cerca de três mil seguidores seus em Leopoldville (ex-Congo Belga), em 1949 pelas tropas colonialistas belgas, será realizado este domingo no município do Kilamba-Kiaxi, pela Igreja do "Nosso Senhor" Jesus Cristo no Mundo (Igreja Tocoísta).

O bispo da Igreja Tocoísta, Afonso Nunes, disse quinta-feira em declarações à imprensa, que a prisão de Simão Toco e outros tocoístas iniciou depois do pedido deste pela descida do Espírito Santo para os africanos durante a conferência das missões protestantes em Leopoldville onde participaram 49 delegações, sendo 16 africanas.

Nesta conferência foram escolhidas três pessoas para efectuar os seus pedidos para Deus e, segundo Afonso Nunes, os dois primeiros angolanos pediram o desenvolvimento e independência para África, o aumento da instrução e igualdade de oportunidades entre negros e brancos, enquanto Simão Toco pediu a descida do Espírito Santo começando então o trabalho de evangelização.

"Como não existiam ainda os partidos políticos, os africanos apoiaram-se nos movimentos messiânicos para que os países africanos alcançassem as suas independências e consequentemente a libertação intelectual e económica do povo" - disse.

"O tocoismo surge em 1949 depois da expulsão de Simão Toco da Igreja Protestante e do ex-Congo Belga acusado pelas autoridades coloniais de realizar actividades subversivas. Então a partir de 22 de Outubro começou o sofrimento, a perseguição dos colonialistas belgas e portuguesas aos tocoístas ", explicou.

Segundo o líder tocoísta, depois de expulsos muitos foram desterrados para São Tomé e Príncipe, Cabo Verde, Portugal e para as províncias do interior de Angola, situação que elevou o desterro de Simão Toco para os Açores durante 11 anos.

Para saudar o 22 de Outubro, disse, estão agendadas palestras nas igrejas municipais e a realização para breve do culto da consagração do matrimónio para a união da família.

A Igreja Tocoísta possui representações no Congo Democrático, Namíbia, São Tomé, Portugal, França, Alemanha, África do Sul e conta com cerca de um milhão de membros, encontrando-se aproximadamente 500 mil crentesespalhados por Angola.