Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Política

04 Abril de 2013 | 20h01 - Actualizado em 04 Abril de 2013 | 20h01

Munícipes de Ambaca realçam ganhos dos 11 anos de paz efectiva

Kwanza Norte

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Camabatela – Os munícipes de Ambaca, província do Kwanza Norte, realçaram hoje os vários avanços registados na circunscrição durante os 11 de paz efectiva em Angola, sobretudo no concernente à melhoria da assistência médica prestada aos cidadãos.

Numa ronda efectuada hoje pela Angop na vila de Camabatela, sede do município, por ocasião do 4 de Abril, dia do alcance da paz e reconciliação nacional, os cidadãos destacaram a construção do hospital regional de Ambaca, dotado de várias especialidades de assistência médica e que está a contribuir para a redução das evacuações de pacientes para o hospital provincial, em Ndalatando.

O cidadão Adriano Lucas sublinhou que com o advento da paz está a promover o desenvolvimento do município de Ambaca em vários domínios, com realce para o sector da saúde e educação que contam actualmente com uma maior oferta de serviços, com realce para escolas do ensino médio que estão a permitir que os jovens deiam continuidade aos estudos sem terem de se deslocar para outras regiões da província.

Já o cidadão Gomes Bungui disse que em apenas 11 anos de paz, o município conheceu vários desenvolvimentos, sobretudo na vertente da elevação da oferta dos principais serviços sociais básicos, visto que a região conta já com o fornecimento de energia

eléctrica proveniente da barragem de Kapanda, abastecimento regular de água potável, entre outros.

Por seu turno, Gomes Bungui reconheceu que ainda existe muito por se fazer, mas acredita que com os desenvolvimentos alcançados em 11 anos de paz, o país continuará a dar passos significativos no contexto das nações de África e do mundo.

Lino Luís defendeu a necessidade de preservar a paz duramente alcançada, acrescentando que o comportamento de alguns cidadãos que insistem em não reconhecer os ganhos alcançados durante os dez anos de paz, indicam uma cultura antidemocrática e um factor de desunião.

Hirondino de Jesus disse que os 11 anos de paz são muito poucos para se falar em desenvolvimento integral, pois a dimensão territorial de Angola torna a tarefa um pouco difícil, mas que aos poucos o governo vai dando solução aos principais problemas que

ainda afectam os cidadãos do país.

Leia também