Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Política

23 Fevereiro de 2013 | 15h26 - Actualizado em 25 Fevereiro de 2013 | 09h48

Vice-presidente da República em Addis Abeba

Etiópia

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Addis Abeba  (dos enviados especiais) – O vice-presidente da República, Manuel Vicente, chegou no princípio da tarde de hoje (sábado) em Addis Abeba, onde vai participar domingo, com Chefes de Estados e de governo de dez outros países africanos, numa cimeira sobre a paz e segurança na República Democrática do Congo (RDC) e na região dos Grandes Lagos.

Manuel Vicente vai representar o Presidente da República, José Eduardo dos Santos.

O representante angolano junto da União Africana e embaixador na Etiópia, Arcanjo do Nascimento, disse que o acordo visa "erradicar as causas profundas" do ciclo de conflitos na RDC e na região dos Grandes Lagos.

Explicou que o encontro tem por objectivo mobilizar a comunidade internacional para ajudar a RDC e a região dos Grandes Lagos a terminar com o ciclo de violência, agravado com as acções de instabilidade protagonizadas pelo movimento “M23”, na região do Kivu Norte.

Adiantou que a RDC, nos termos do pacto, fica obrigada a estender o funcionamento das instituições administrativas em todo território, a aprofundar o processo de reconciliação nacional, de tolerância e de democratização, reduzindo os focos de tensão no país.

Deve ainda prosseguir com as reformas em sectores públicos, como nos órgãos de defesa e segurança, bem como promover o desenvolvimento socioeconómico do país. Pretende-se dos países signatários a unidade de esforços para evitar que grupos armados continuem a ter espaço para protagonizar acções de instabilidade.

Os países que deverão assinar o acordo terão a obrigação de recusar guarida a acusados de crimes de guerra e contribuir para que a RDC se reerga economicamente.

O diplomata acredita que a plataforma é bastante abrangente e espera que a sua materialização seja possível, porque há um engajamento de toda a comunidade internacional, através da ONU, União Africana, da Conferência Internacional da Região dos Grandes Lagos e da SADC.