Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Política

13 Janeiro de 2011 | 21h23 - Actualizado em 13 Janeiro de 2011 | 22h15

Angola adopta sistema de Governo adequado ao desenvolvimento político e económico

Constitucionalidade

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Chefe de Estado angolano, José Eduardo dos Santos, com a primeira dama da República, Ana Paula dos Santos

Foto: Angop

Luanda - Angola, com a aprovação da Constituição da República, adoptou um novo sistema de Governo, mais adequado ao actual estágio de desenvolvimento político, económico, social e cultural do país, num quadro democrático e de respeito pelos direitos, liberdades e garantias do cidadão.

A afirmação é do Chefe de Estado angolano, José Eduardo dos Santos, quando discursava hoje, quinta-feira, na cerimónia de cumprimentos de ano novo ao corpo diplomático acreditado no país, cerimónia ocorrida no Salão Nobre do Palácio Presidencial.

Salientou que neste processo de reconstrução material, institucional e espiritual para o advento de uma nova Angola, mais estável, próspera e feliz, desejamos poder continuar a contar com a cooperação multiforme e mutuamente vantajosa dos parceiros internacionais.

"É com muita satisfação que recebo aqui, no Palácio Presidencial, os ilustres membros do Corpo Diplomático e respectivos cônjuges para o nosso tradicional encontro no início de cada ano. Estes encontros proporcionam sempre um agradável convívio e permitem trocar impressões e informações úteis sobre as relações de amizade e de cooperação entre os nossos países", frisou o estadista.

O líder angolano lamentou que no ano findo, infelizmente, se tenha ainda confrontado com algumas preocupações, decorrentes da crise económica e financeira internacional.

"Tivemos de nos confrontar também com crises políticas e focos de tensão ou de conflito aberto em várias partes do mundo e com calamidades naturais, que provocaram enormes prejuízos e perdas em vidas humanas", aflorou igualmente.

Apesar disso, referiu o Presidente da República, assistimos a alguns avanços, em resultado dos esforços feitos por diversos países com o objectivo de contribuir para uma atmosfera mais sã no convívio entre as nações e para a melhoria das condições de vida dos respectivos povos.