Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

08 Fevereiro de 2013 | 17h21 - Atualizado em 08 Fevereiro de 2013 | 18h37

Sobe para 33 o número de mortos em atentados com carros-bombas

Iraque

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar


 

Bagdad - O número de mortos numa série de atentados com carros-bombas em áreas xiitas do Iraque, incluindo duas explosões com minutos de intervalo num mercado de aves, mataram pelo menos 33 pessoas nesta sexta-feira.

              
Os ataques, que também deixaram mais de 70 pessoas feridas, foram dirigidos principalmente a mercados que estão normalmente lotados às sextas-feiras, o feriado semanal no Iraque, e elevaram para mais de 100 o número de mortos numa semana de violência no país.

              
Duas explosões num mercado de aves no bairro de Kadhimiyah, no norte de Bagdad, região que abriga o santuário de uma figura referenciada no islamismo xiita, mataram mais de 20 pessoas e feriram outras 45, informaram fontes médicas e de segurança.

              
Os dois carros-bombas foram accionados pouco depois das 9h00 locais  num estacionamento adjacente ao mercado, que normalmente recebe muitos compradores às sextas-feiras.

              
Vidro e estilhaços estavam espalhados no local do ataque, informou um jornalista da Agência France Presse, enquanto poças de sangue se formaram no chão e uma cerca de arame estava destruída.
              

Vários carros próximos ficaram completamente destruídos, e, enquanto pedestres observavam a destruição no local, as forças de segurança tentavam impedir a imprensa de entrevistar os presentes, filmar ou tirar fotos.

              
Militantes já atacaram mercados de aves de Bagdad no passado. O dia 1 de Fevereiro de 2008 - também uma sexta-feira - 100 pessoas faleceram após duas explosões em mercados centrais no centro e no leste de Bagdad.

              
Os explosivos estavam amarrados em duas mulheres com problemas mentais e depois foram detonados por controlo remoto em explosões coordenadas, informou na época um funcionário dos serviços de segurança do país.

              
Também nesta sexta-feira, a cidade de Shomali, na província predominantemente xiita de Babil, foi alvo de dois carros-bombas, segundo fontes médicas e de segurança.

              
A primeira explosão ocorreu nos arredores da cidade, enquanto a segunda foi registada num mercado. Mulheres e crianças estavam entre as vítimas em ambos os ataques, segundo médicos.
              

Militantes sunitas, incluindo a Al-Qaeda no Iraque, frequentemente tomam como alvo bairros xiitas com ataques mortais, numa tentativa de arrastar o país de volta ao derramamento de sangue sectário que o arruinou de 2005 a 2008.

              
Os episódios de violência desta sexta-feira ocorrem num momento de instabilidade no Iraque, país atingido por ondas de carros-bombas e ataques suicidas em meio a uma crise política, e por semanas de protestos nas áreas maioritariamente sunitas pedindo a saída do primeiro-ministro xiita, Nuri al-Maliki.

              
Novas manifestações ocorreram nesta sexta-feira em áreas sunitas de Bagdad, assim como nas cidades do norte e oeste de Mossul, Samarra e Ramadi.

              
Os manifestantes protestaram principalmente contra a suposta perseguição das minorias sunitas pelas autoridades xiitas, mas, recentemente, se focaram nas demandas pela renúncia do primeiro-ministro.

              
Mais de 100 pessoas morreram nos episódios de violência que atingiram o país na última semana, e Janeiro foi o mês mais mortífero no Iraque desde Setembro, de acordo com um balanço preparado pela Agência France Presse.