Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

08 Setembro de 2012 | 22h23 - Actualizado em 08 Setembro de 2012 | 22h23

Consenso na Europa sobre mais sanções à Síria e ao Irão

Pafos

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Chipre - A União Europeia (UE) ameaçou ampliar as sanções contra a Síria para asfixiar o regime de Bashar al-Assad e também contra seerão pelo seu programa nuclear, reforçando sua ofensiva diplomática em duas frentes que mantêm a comunidade internacional paralisada.

"Há um consenso para aumentar a pressão sobre a Síria", disse a chanceler do Chipre, Erato Kozakou, ao terminar a reunião informal de dois dias dos ministros das Relações Exteriores europeus, no balneário cipriota de Pafos.

"Há um sentimento generalizado de que é preciso aumentar a pressão sobre o regime para conseguir o fim da violência e permitir o acesso da ajuda humanitária a todo o país", disse o ministro espanhol das Relações Exteriores e de Cooperação, José Manuel Garcia Margallo.

Os ministros da UE também se comprometeram em dar seu apoio à "transição democrática que permita estabelecer um novo governo representativo, inclusivo e que respeite os direitos e as minorias étnicas, especialmente os curdos", acrescentou o chanceler espanhol.

O conflito sírio, que dura 18 meses sem perspectivas de solução, se transformou num dos principais desafios da diplomacia europeia, diante da paralisia e do fracasso da ONU.

Os ministros propuseram a participação da Rússia na ajuda humanitária para envolver a Moscovo no processo.

A Rússia, principal apoiante diplomático e militar do regime sírio, vetou com a China, as três últimas tentativas de resolução do Conselho de Segurança da ONU que pretendiam aumentar a pressão contra o regime de Assad.

Em mais de um ano, a União Europeia aprovou várias sanções contra a Síria, que incluem um embargo às compras de petróleo sírio e a venda de armas ao regime, para evitar que sejam usadas para a repressão.

Os europeus sancionaram 155 pessoas e 53 empresas, próximas ao regime, com o congelamento dos bens na UE e o veto de vistos a qualquer país da União.

Contudo, as sanções deram, até agora, fracos resultados na busca pelo fim do conflito e a quantidade de mortos e refugiados nos quatro países que fazem fronteira com a Síria (Turquia, Jordânia, Líbano e Iraque) continuam aumentando.

As declarações dos europeus foi feitas pouco depois de o ministro russo das Relações Exteriores, Serguei Lavrov, declarar que as sanções norte-americanas contra a Síria e o Irão prejudicam os interesses económicos da Rússia.