Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Educação

17 Julho de 2012 | 13h33 - Actualizado em 20 Julho de 2012 | 07h42

Reforma Educativa altera metodologias de ensino

Opinião

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Reforma Educativa altera metodologias de ensino

Foto: Angop

Luanda  – As metodologias do ensino em educação tem mais pedagogias desde a implementação da Reforma Educativa em curso no país, uma vez que modificou completamente a liberdade em diferentes sistema do ensino, segundo o docente Adão Pedro.

Em declarações hoje à Angop, Adão Pedro, quando falava sobre os ganhos na Educação nos últimos 4 anos, frisou que a reforma educativa apresenta vantagens que em principio da igualdade, liberdade, obrigatoriedade, individualidade e avaliação continua para os alunos e professores.

Acrescentou também que o sistema permitiu o aumento das disciplinas no primeiro ciclo de ensino, tais como as disciplinas de manual plástico e educação musical, alterando, por isto, as metodologias do ensino em educação.

Apesar de se reforçar a pedagogia, no entanto, o entrevistado avança que os professores têm dificuldades em leccionarem a disciplina de educação musical, por falta de conhecimento e capacidade e, por outro lado, a falta de material e instrumentos musicais. 

Quanto a desvantagens, disse que a transição automática na classe de 1ª,3ª e 5ª estando na base de muitas deficiências dos alunos e criando dificuldades nos professores que vão leccionar 35 alunos numa sala, enquanto a realidade é diferente. “Isto requer ao professor muita responsabilidade e atenção em transmitir os conhecimentos”, disse.

Em relação aos anos anteriores referiu que o sistema educativo tinha uma outra Metodologia, muito diferente que permitia que os alunos não saíssem mal preparados.

“Havia mais preocupação quanto ao ensino por parte da sociedade, modo desempenhado e relacionado. Também havia poucas disciplinas e conteúdos suficientes  e bem trabalhados, com pouca hipótese de margem de erros”, frisou.

Quanto a qualidade, frisou que as directrizes do Ministério da Educação necessitam de uma maior autonomização da gestão educativa em todos os sistema do ensino, respectivamente na gestão da qualidade, privilegiando discussões de várias abordagens teóricas e de conceito da qualidade e de forma como está a ser interpretado, quando a sua aplicabilidade, eficiência e eficácia, atendendo as necessidades do mundo globalizado na perspectiva educacional.