Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Educação

26 Novembro de 2005 | 12h15

Huambo: Universidade Católica recolhe dados sobre crianças órfãs

Huambo

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Huambo, 26/11 - Investigadores do Centro de Estudos e Investigação Científica da Universidade Católica de Angola (UCAN) iniciaram sexta-feira na cidade do Huambo, a recolha de dados sobre a situação actual de crianças órfãs vulneráveis e portadoras de HIV/SIDA na província.

Os dados a serem apresentados no dia 08 de Dezembro deste ano, estão a ser fornecidos pelos representantes da Rede Provincial de Protecção à Criança através de um inquérito. Essasinformações vão contribuir para a implementação do plano nacional de acções em prol dascrianças órfãs e portadoras do HIV/SIDA.

A acção coordenada pelo Ministério da Assistência e Reinserção Social, realiza-se no âmbito da estratégia de elaboração e apresentação (em Março de 2006) do relatório de avaliação da situação da criança órfã vulnerável e portadora de HIV/SIDA, em Angola, no período pós-guerra.

O investigador sénior do Centro de Estudos e Investigação Científica da UCAN, Nelson Pestana deu a conhecer que pretendem com esta acção fazer um mapeamento das Ong e comunidades que trabalham neste domínio implementando métodos participativos para todos interessados em ajudar este grupo alvo.

Sem precisar dados, o investigador disse que indicadores mostram a redução de crianças órfãs vulneráveis, mas assiste-se hoje o aumento de menores em situação de orfandade, causado pelo HIV/SIDA.

"Temos de trabalhar todos com urgência em prol das crianças órfãs vulneráveis, tendo em conta os riscos que esta corre", salientou.

A recolha de dados sobre a situação de crianças órfãs vulneráveis está ser feita nasprovíncias do Uíge, Lunda-Sul, Moxico, Luanda e Huambo, e servirão de amostras para as restantes de Angola.

O projecto conta com o apoio do Fundo das Nações Unidas para Infância (UNICEF).