Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Economia

22 Agosto de 2011 | 17h42 - Actualizado em 22 Agosto de 2011 | 17h42

Banca angolana passa a contar com suporte de livro sobre contabilidade

Luanda

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Luanda - O mercado angolano, em particular o sector bancário, conta doravante com o auxílio científico do livro de Contabilidade Bancária, da autoria do docente universitário, Jorge Leão Peres.

A obra, que está a ser comercializada a dois mil kwanzas, contém 334 páginas e inclui sete capítulos. O primeiro capítulo faz a introdução da actividade bancária, intermediação financeira, operações bancárias, risco nas operações de crédito, tendências do sistema financeiro e a moeda no centro da actividade bancária.

No segundo capítulo, o professor auxiliar da Faculdade de Ciências Económicas da Universidade Lusíada de Angola aborda a estrutura do sistema financeiro angolano, as instituições financeiras bancárias, órgãos de regulação e supervisão e instrumentos de intervenção na economia via sistema bancário.

O terceiro capítulo é dedicado fundamentalmente à regulamentação prudencial, capital social, fundos próprios regulamentares e critérios de autorização, compatibilidade dos fundos próprios, constituição de provisões, limites às participações financeiras e controlo dos grandes accionistas.

A obra do mestre em direcção bancária pela Universidade Carlos III de Madrid, Espanha, fala, no seu quarto capítulo, do plano contabilístico das instituições financeiras, no qual se analisa os critérios valorimétricos, normas e princípios contabilísticos, elenco e função de contas.

Consta do quinto capítulo o tema a inserção da contabilidade bancária no universo da contabilidade como ciência, enquanto o sexto versa sobre demonstrações financeiras, normas de reporte, modelos de demonstração financeira, balanço patrimonial, demonstração de resultados e demonstração de fluxos de caixa.

O último capítulo reporta a contabilidade como instrumento de informação e gestão onde faz a sistematização dos elementos de balanço, estratégia e gestão, análise estratégica, selecção estratégica e implementação da estratégia. Depois desta parte do livro seguem-se alguns anexos.

Em declarações à Angop, no âmbito da cerimónia de lançamento, decorrido na Universidade Lusíadas de Angola (ULA), o proprietário da obra disse que factores académicos e a necessidade de munir os gestores, instituições bancárias e o público em geral de bibliografia sobre a actividade bancária o motivaram a escrever o livro.

Jorge Leão Peres acrescentou que o livro apesar de ter uma abordagem específica, caracteriza igualmente o sistema financeiro nacional e a política económica na vertente monetária, na sua primeira parte, assim como conceitualiza a contabilidade bancária, isto na segunda parte.

Por sua vez, o economista Jaime Fortuna disse que a obra vem atender o desafio da pesquisa no país e preencher a lacuna (em termos bibliográficos) existente no mercado bancário, que se encontra em expansão elevada, por se tratar de um livro bastante actualizado e que faz referência aos acordos de Basileia III.

Nascido em Luanda aos 27 de Janeiro de 1963, Jorge Leão Peres é pós graduado em Desenvolvimento Económico e Planificação pelo Instituto Africano de Desenvolvimento Económico e Planificação com sede em Dakar, Senegal, e em Financial Economics pela University of London, como estudante externo.

O autor de Contabilidade Bancária (prefaciado pela professora Laurinda de Jesus Hoygaard,) licenciou-se em Economia na Faculdade de Economia da Universidade Agostinho Neto, na especialidade de Contabilidade e Finanças, e tem também publicado o livro "A Moeda em Angola- subsídios para seu estudo" (2005).

Em véspera da conclusão do curso médio de administração e gestão, no Instituto Karl Marx (actual IMIL), ingressou nos quadros do Banco Nacional de Angola – em 1982, onde já exerceu funções técnicas e de chefia nas áreas de circulação monetária, gestão de reservas, supervisão bancária, sistema de pagamento e emissão de crédito.