Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Desporto

09 Março de 2009 | 17h18 - Actualizado em 09 Março de 2009 | 17h18

Jornal A Bola já nas ruas com Djalma em destaque

Publicação

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Luanda - A primeira edição angolana do jornal desportivo português A Bola saiu a rua hoje, nesta segunda-feira, em Luanda, com destaque à possível transferência do avançado Djalma Campos, do Marítimos para o FC do Porto, da Liga
portuguesa de futebol.

Com o desenvolvimento na sua página 44, o articulista da notícia, para além de evidenciar o positivo desempenho do angolano na equipa do Marítimo, escreve também sobre o desenrolar das conversações com os portistas, podendo consumar-se a sua vinculação a partir de Julho.  

Djalma, também da selecção nacional angolana, é filho do antigo futebolista do Petro de Luanda e do Sport Lisboa e Benfica, Abel Campos.                          
 

No seu interior, concretamente na edição internacional, encontramos um suplemento exclusivamente dedicado ao desporto angolano, com predominância à  homenagem à mulher deste país africano.         

A antiga andebolista Palmira Borbosa, actualmente deputada ao Parlamento angolano, e as irmãs Kiala, no caso Marcelina, Luísa e Natália, do Petro de Luanda e da selecção nacional, entre outros, também mereceram citações no A Bola.              
 

O jornal desportivo sairá três vezes por semana com o caderno principal a destacar o futebol português e quatro páginas a abordarem o desporto angolano, com realce para o futebol, segundo afirmou recentemente à Angop, o seu director, Victor Serpa.
 

"No primeiro número teremos uma tiragem de cinquenta mil exemplares que vão custar 150 Kwanzas" explicou.
 

Victor Serpa adiantou que não existe ainda um número exacto da tiragem para os próximos tempos, pois dependerá da aceitação do produto por parte dos leitores angolanos.
 

"Vamos procurar levar o nosso jornal a todas as províncias de Angola, mas numa primeira fase o número ainda não está definido.
 


Fez saber que há três anos que a direcção do referido jornal estava a procura de soluções técnicas, bem como parceiros para a sua distribuição e comercialização, o que veio a acontecer somente agora através do grupo Media Nova.