Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Desporto

24 Abril de 2012 | 19h30 - Actualizado em 24 Abril de 2012 | 19h46

Dirigente do 1º de Agosto defende maior "agressividade" das APF

Futebol

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Futebol jovem precisa de maior atenção

Foto: Angop

Luanda - O director do departamento para o futebol de formação do 1º de Agosto, Julião Dias, disse hoje, em Luanda, que algumas Associações Provinciais de Futebol (APF) devem ser mais actuantes na promoção dos jovens futebolistas e com o trabalho desenvolvido pelos clubes.

Em declarações à Angop, a propósito do estado actual do futebol de formação, o antigo ponta-de-lança disse que algumas associações têm mais preocupação com o futebol sénior em detrimento da base, que muitas vezes se fala da massificação mas a mesma não existe.

"Não se pode cobrar muito da federação. Quem deve dar o primeiro passo são as associações, mas com programas muito sólidos e que a sociedade se reveja neles. Mas ainda pouco se tem feito em prol deste sector", disse.

"As associações não levam muito a sério alguns projectos e quem sai sempre penalizado é o futebol jovem. Infelizmente esta é a nossa realidade", realçou.

Disse que a Federação Angolana de Futebol deve aparecer "como supervisora de todos os programas das associações e que só assim o futebol poderá dar um salto qualificativo".

Julião Dias defende a realização de campeonatos inter-escolares e o aproveitar das datas festivas "para que as crianças possam recrear e não se exigir resultados imediatos como muitas vezes alguns pessoas pretendem. Este trabalho deve ser bem acompanhado pelas associações".

Informou que a falta de qualidade dos treinadores também está na base dos maus resultados que muitos atletas vão apresentando, porque não aprendem correctamente o que se deve fazer de concreto com as crianças e adolescentes.

"Nem todo antigo jogador está em condições de ser treinador. É preciso ter formação específica para trabalhar com as crianças quer a técnica como a linguagem a usar com elas. Às vezes o que vejo em alguns campos, deixa-me preocupado e interrogo-me se este é o caminho que devemos seguir".