Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » África

24 Setembro de 2013 | 19h47 - Actualizado em 25 Setembro de 2013 | 09h33

Grandeza do território e cobiça de riquezas como empecilho para paz na RDC

A extensão do território da República Democrático do Congo (RDC), a diversidade de grupos étnicos, a cobiça das riquezas naturais pelos congoleses, Estados vizinhos e por países ocidentais foram apontadas hoje (terça-feira) , em, Luanda, pelo docente universitário Benedito Sipandeni como empecilhos para a busca da paz douradora naquela nação do continente africano.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Docente universitário, Benedito Sipandeni

Foto: angop


Sipandeni defendeu este ponto de vista quando foi entrevistado pela Angop para se debruçar sobre as conversações que estão a decorrer, desde o dia 7 de Setembro último,  em Kinshasa, para a solução da crise naquele país vizinho de Angola.

A fonte sublinhou que além das concertações entre o governo e a oposição, estão também em curso negociações em Kampala, capital do Uganda, sob a égide do Presidente Yoweri Museveni que abrem uma janela de oportunidades para a pacificação do leste da RDC, já que participa nelas o M23 que é o grupo armado mais activo naquele país.

Acrescentou que estas negociações já tiveram lugar desde o início do ano , mas foram interrompidas, devido o reinício dos combates naquela região entre as Forças Armadas da República Democrática do Congo (FARDC), apoiadas pelas tropas das Nações Unidas   (MONUC), como protectoras das populações da região, principalmente a cidade de Goma e a rebelião do 23 de Março (M23).

Embora haja alguns percalços no caminho da paz na RDC, o professor da técnica e tecnologias de informação entende que a disponibilidade manifestada pelo M23 de conversar com o governo congolês já é um passo para a resolução do conflito naquela região, embora se coloca um senão, porquanto operam naquela região mais grupos armados como os Mai-Mai e outros ligados ao antigo exército do Rwanda.

“Tem ainda um outro grupo armado mais activo na região que actua não só na RDC mas também noutros países vizinhos que é Exercito da Libertação do Senhor (LRA - sigla em inglês), do guerrilheiro ugandês,  Joseph Kony”, realçou.

Na sua opinião, a presença destes grupos no leste do Congo democrático ainda pode ser um empecilho para a paz definitiva do hoje segundo maior país do continente africano, depois do desmembramento do Sudão em dois Estados soberanos.

Indagado se o Rwanda e Uganda estão interessados na paz no Congo já que são acusados pela ONU de apoiarem a rebelião do M23, a fonte frisou que todos estes Estados são soberanos e o Rwanda mantém uma fronteira comum com a RDC, cujos limites foram herdados aquando da Conferência de Berlim, realizada entre 19 de Novembro de 1884 a 26 de Fevereiro de 1886, com objectivo de organizar a forma e as regras, da ocupação de África pelas potências coloniais.

Ressaltou que esta ocupação e divisão não respeitaram, nem a história nem as relações étnicas e mesmo familiares dos povos deste continente, pondo em causa a unidade das populações o que tem estado hoje na origem de muitos conflitos inter-étnicos em África.

Sublinhou que paz entre o Congo e o Rwanda só pode prevalecer quando se desvanecer os interesses de um invadir ou ocupar outro país, realçando que para o bem de ambos deve prevalecer a convivência pacífica entre os dois Estados, até porque o continente africano tem uma herança pesada dos povos divididos a meio a viver em dois ou mais países.

Por isso, há uma necessidade de todos esses povos harmonizarem-se como acontece em outras regiões do continente que tiveram a mesma situação.

Assuntos RDCongo  

Leia também
  • 23/01/2015 07:17:04

    Observatório da imprensa nacional exige restabelecimento do sinal Internet na RD Congo

    Kinshasa, RD Congo - O Observatório da Imprensa Congolesa (OMEC) defendeu o restabelecimento rápido do sinal da Internet na RD Congo, interrompido, segunda-feira última, no quadro dos dispositivos de segurança tomados na sequência das manifestações populares na capital, Kinshasa, anunciou o presidente da OMEC, Polydore Muboyayi.

  • 22/01/2015 18:06:43

    RDCongo:Senado adia para sexta-feira votação da lei eleitoral

    Kinshasa - O Senado da República Democrática do Congo adiou para sexta-feira, a apreciação e a votação de uma lei eleitoral contestada e que está na origem dos três dias de violência em Kinshasa, soube-se hoje (quinta-feira) junto desse órgão, citado pela AFP.

  • 22/01/2015 10:37:22

    RD Congo: ONU deplora mortes nos distúrbios ocorridos no país

    Kinshasa - A Missão das Nações Unidas para a Estabilização na RD Congo (MONUSCO) deplorou as perdas de vidas humanas nos distúrbios iniciados segunda-feira última.

  • 21/01/2015 18:31:25

    RDCongo/Situação:PM desloca-se ao campus da Universidade de Kinshasa

    Kinshasa - O Primeiro ministro da República Democrática do Congo, Augustin Matata Ponyo, deslocou-se ao princípio da tarde desta quarta-feira ao campus da Universidade de Kinshasa, na sequência das escaramuças que opuseram estudantes às forças da ordem, noticiou a AFP.