Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » África

21 Abril de 2012 | 14h20 - Atualizado em 21 Abril de 2012 | 14h19

Governo controla aeroporto de Trípoli

Líbia

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Trípoli - O Governo líbio de transição tomou sexta-feira à noite o controlo do aeroporto de Tripoli das mãos de uma brigada dos "Thowars" (revolucionários) de Zentan, durante uma cerimónia na qual participaram os ministros da Defesa, Ousama Jwili, e das Comunicações e Transporte, Youssef Al-Wahishi, e o vice-ministro do Interior, Omar Al-Khidrawi.


A brigada que dirigia um antigo militar originário da cidade de Zentan (cerca de 200 quilómetros a oeste de Tripoli), Mukhtar al-Akhdar, reclamou, entre outros, nomeações dos seus membros a postos na gestão do aeroporto.


No entanto, o Governo líbio permaneceu firme nas suas posições e recusou qualquer negociação deste género, sustentando que a gestão dum aeroporto necessita de pessoal bem formado.


Nenhuma indicação foi, todavia, revelada sobre o acordo concluído entre o Governo e a brigada em questão para controlar o aeroporto.
Durante a cerimónia, o ministro líbio das Comunicações e Transporte agradeceu vivamente à brigada dos "Thowars" de Zentan pela proteção e pela boa gestão do aeroporto da capital líbia durante oito meses.


Na semana passada, as ONG líbias organizaram uma grande manifestação diante do aeroporto de Tripoli para reclamar a partida desta brigada e a sua administração pelo Governo líbio.


Os habitantes de Tripoli discordam da ocupação pelas brigadas revolucionárias da cidade de Zentan, bem como de diversas outras cidades, nomeadamente Misrata (cidade portuária a cerca de 200 quilómetros a leste de Tripoli) e das cidades do Monte Nefoussa, no oeste do país, de edifícios públicos, bem como de casas e fazendas abandonadas pelos antigos responsáveis do regime de Kadhafi que fugiram antes e depois da destituição deste último.