Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Reconstrução Nacional

10 Novembro de 2008 | 15h36 - Atualizado em 10 Novembro de 2008 | 18h07

Independência dignificou modo de vida dos angolanos

Efeméride

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Sector da Educação continua prioritário

Foto: Angop

Luanda – O director geral adjunto do Laboratório de Engenharia de Angola (LEA), José Paulo Kai, considerou hoje (segunda-feira), que a conquista da Independência Nacional, alcançada em 11 de Novembro de 1975, permitiu a execução de vários projectos de obras públicas que dignificaram o modo de viver dos angolanos.

Em entrevista à Angop a propósito da efeméride, o responsável acrescentou que a reconstrução de Angola tem um fundamento histórico resumido em duas etapas, designadamente a conquista da independência em 1975 e a obtenção da paz em 2002.

Para José Paulo Kai, o processo de reconstrução iniciou em 1975 por ter sido o ano que Angola e os angolanos se tornaram livres da opressão colonial e começaram a agir segundo a sua vontade, enquanto a paz surgiu como garante da estabilidade político-militar e instrumento dinamizador desse processo.

Segundo justificou, embora a paz esteja a permitir a execução de distintos projectos de obras públicas em clima de sossego, a independência deve ser exaltada porque tornou os angolanos mais maduros.

"Embora muitas tenham sido destruídas, mesmo em tempo de guerra o país ganhou novas infra-estruturas sociais", disse, enaltecendo o esforço que o Governo vem empreendendo ao longo desses 33 anos de independência para o desenvolvimento do país e melhoria de vida das populações.

Neste contexto, o director geral adjunto do LEA destacou a reabilitação e construção das estradas nacionais, escolas primárias, institutos médios e politécnicos, hospitais e centros de saúde, de caminhos-de-ferro, complexos residenciais e edifícios
administrativos.

José Paulo Kai realçou a redução da taxa de mortalidade infanto-juvenil, o aumento do número de pessoas empregadas e a aposta do governo no combate ao analfabetismo e na formação profissional dos jovens.

"Independentemente desses feitos, há ainda muito por se fazer para posicionar Angola entre os países de África mais desenvolvidos", acrescentou.

Muitos dos projectos materializados depois da conquista da paz, salientou, foram elaborados muito antes de 2002, mas devido ao conflito armado que assolou o país durante cerca de trinta anos foram embargados para virem a ser implementados em clima de estabilidade económica e tranquilidade social.

De acordo com ele, a conquista da independência tem uma grande relevância no processo de reconstrução porque o desenvolvimento de qualquer sociedade assenta em quatro factores fundamentais: liberdade, responsabilidade, colaboração e diversidade ideológica.

“Efectivamente o programa de Reconstrução Nacional começou a ser implementado após obtenção da paz, mas do ponto de vista teórico o processo teve início com a conquista da independência, que permitiu renovar as mentalidades, reorganizar as ideias para projectar o futuro do país”, sustentou.